A entrada em vigor dos acordos entre o Reino Unido e a União Europeia (UE) para a conclusão do Brexit gerou uma situação inesperada para o governo reacionário de Boris Johnson.

A escassez e o desabastecimento de muitos produtos e mercadorias essenciais brindaram-nos com imagens impensáveis ​​para uma grande potência capitalista.

Dezenas de milhares de trabalhadores da UE e extracomunitários deixaram o Reino Unido nas últimas semanas perante a avalanche de restrições ao emprego aprovadas por Johnson. A consequência imediata foi a falta crónica de camionistas, que levou a encerramentos intermitentes de postos de gasolina, com as consequentes longas filas e até brigas nos que permaneciam abertos, e supermercados com as prateleiras vazias.

Para responder à crise, o governo conservador não teve outra escolha a não ser recorrer ao exército para garantir o abastecimento de combustível. Desde o início de outubro que centenas de militares dirigem camiões-cisterna numa tentativa de restaurar a normalidade o mais rápido possível.

A decadência do capitalismo britânico

Johnson tentou minimizar o problema apresentando-o como uma consequência meramente conjuntural do culminar do Brexit, e semana após semana anuncia que um retorno à normalidade é iminente. Por sua vez, a imprensa burguesa europeia responsabiliza exclusivamente a Grã-Bretanha e pinta este caos como um merecido "castigo" à população do Reino Unido por ter votado "Sim" ao abandono da União Europeia.

Embora seja verdade que o nacionalismo económico e o protecionismo não são uma solução para as contradições de que o capitalismo sofre e só contribuem para agravá-las ainda mais, a realidade é que os problemas de fundo da economia britânica vêm de muito mais longe e agora viram-se agravados pelas novas dificuldades da economia global.

A brusca subida dos preços da energia e de numerosas matérias-primas básicas e reagentes industriais, que estão a atingir todas as economias capitalistas com maior ou menor intensidade e a fazer disparar perigosamente a inflação, complicam a situação no Reino Unido e têm levado os empresários de importantes setores industriais, como a siderurgia, a indústria química ou a indústria do cimento, a advertir o governo de que, se não receberem ajuda pública para compensar a queda das suas exportações para a UE, fecharão as fábricas e despedirão os trabalhadores.

img
A brusca subida dos preços da energia e de numerosas matérias-primas básicas, que está a atingir todas as economias capitalistas com maior ou menor intensidade, complicam a situação no Reino Unido.

Dado o alto grau de integração da economia do Reino Unido com a economia mundial e, especialmente de forma significativa com a UE, era inevitável que o Brexit trouxesse problemas deste tipo. O Reino Unido é uma das economias mais internacionalizadas do mundo. O seu comércio exterior contribuiu para 63% do PIB em 2020, em comparação com apenas 35% para o Japão ou 22% para os Estados Unidos. Além disso, segundo dados oficiais de 2019, 43% das exportações e 52% das importações foram com a UE.

O caminho tortuoso do Brexit

Precisamente por causa desta integração fortíssima da economia do Reino Unido com o resto da União Europeia, um setor da oligarquia financeira britânica opôs-se ao Brexit e fez todo o possível para evitá-lo.

Mas as advertências e pressões desses setores empresariais não conseguiram impôr-se ao profundo mal-estar social, alimentado por décadas de cortes e retrocessos nos direitos sociais e laborais conquistados pela classe trabalhadora britânica após a Segunda Guerra Mundial.

Na década de 1980, o governo conservador de Margaret Thatcher lançou uma cruzada de ataques à classe trabalhadora. Os seus cortes e contra-reformas foram consolidados pelos governos trabalhistas de Tony Blair e, após a crise de 2008 e o retorno dos conservadores ao poder em 2010, a destruição do Estado de bem-estar continuou a um ritmo ainda mais intenso.

Prevaleceu a mais extrema precariedade, cuja expressão máxima são os contratos de zero horas, nos quais o trabalhador está disponível a tempo integral, mas só recebe salário pelas horas em que o patrão o chama para trabalhar: hoje mais de 25% dos novos empregos são regidos por esta norma. A pobreza espalhou-se por todo o Reino Unido, especialmente nas antigas cidades industriais da velha cintura vermelha (Liverpool, Oldham, Birmingham, Nottingham, Manchester...) e afeta mais de 20% da sua população.

Amplas camadas da classe trabalhadora e setores empobrecidos da classe média identificaram a UE como a causa dessas políticas de austeridade e abraçaram fortemente a causa do Brexit. É claro que a incapacidade do Partido Trabalhista durante anos de oferecer uma alternativa de classe e um programa de luta a favor de políticas socialistas deu grande terreno à demagogia chauvinista da direita.

A viragem à esquerda que representou o triunfo de Jeremy Corbyn foi completamente frustrada pelas suas hesitações. Em vez de enfrentar resolutamente a sabotagem do aparelho blairista e propor uma saída da UE para implementar medidas enérgicas a favor da nacionalização dos setores fundamentais da economia, Corbyn manteve o seu apoio à UE como um ponto forte dos direitos sociais.

Também deve ser lembrado mais uma vez que a extrema-direita populista, como o UKIP, tentaram apresentar-se como os vencedores do Brexit e assim promover a sua agenda racista e fascista. Mas rapidamente chocaram com a dura realidade. As suas ideias foram rejeitadas pela maioria da classe trabalhadora britânica e de 4,3 milhões de votos nas eleições europeias de 2015 caíram para 554.463 em 2019.

Um setor maioritário do Partido Conservador viu na maré anti-UE uma oportunidade de recuperar a popularidade perdida e fazer os eleitores esquecerem a sua responsabilidade na grave crise social que assolava o Reino Unido. Mas o processo de negociação com a UE para formalizar o Brexit transformou-se num caos que engoliu o governo e dividiu os deputados conservadores.

A primeira-ministra Theresa May, desgastada pelas contínuas derrotas parlamentares às mãos dos seus próprios deputados, acabou a renunciar ao cargo em maio de 2019. O seu sucessor Boris Johnson finalmente conseguiu a aprovação do acordo para deixar a UE, embora isso tivesse exigido a suspensão da atividade do parlamento durante mais de um mês e a expulsão de 27 deputados rebeldes do seu partido.

img
Rapidamente ficou claro que nem um Brexit nos moldes capitalistas, nem a permanência na UE, ofereciam uma saída para a população trabalhadora. A raiz dos problemas do Reino Unido é o seu declínio imparável.

Rapidamente ficou claro que nem um Brexit nos moldes capitalistas, nem a permanência na UE, ofereciam uma saída para a população trabalhadora. A raiz dos problemas do Reino Unido é o seu declínio imparável. O país que um dia foi o promotor da revolução industrial, o precursor da civilização capitalista, o possuidor de um vasto império colonial é agora um poder de segunda ordem, cuja classe dominante só pode sobreviver explorando a classe trabalhadora da forma mais cruel e atraindo o capital financeiro mundial pelo seu regime fiscal vantajoso.

Perspetivas incertas

Como temos visto ultimamente, o acordo do Brexit está a romper pelo elo mais fraco: a situação económica e comercial da Irlanda do Norte.

O que foi acordado com a UE foi que a Irlanda do Norte continuaria a fazer parte do mercado único europeu e que, consequentemente, não haveria qualquer tipo de fronteira ou restrição à circulação de pessoas e mercadorias entre a República da Irlanda e as seis províncias sob o domínio britânico. O equilíbrio instável alcançado na Irlanda do Norte após os Acordos da Sexta-Feira Santa de 1998, exigia que a crescente integração entre as duas partes da Irlanda não fosse interrompida.

A consequência deste acordo é que a fronteira económica com a UE mudou-se para dentro do território do Reino Unido, criando uma barreira ao comércio entre a Irlanda do Norte e o resto do país. Previsivelmente, este acordo prejudicou o comércio através do Mar da Irlanda e despertou tanto o setor unionista na Irlanda do Norte quanto os empresários britânicos que, devido às regras da UE, viram o comércio restringido no que formalmente continua a ser o seu próprio país.

O que está subjacente a esta situação é que a Irlanda do Norte deixou de gravitar economicamente em torno do Reino Unido. O declínio do capitalismo britânico, junto com o enorme salto económico da República da Irlanda, mudaram radicalmente a situação. Aos poucos, a Irlanda do Norte está a separar-se do Reino Unido, e não importa o quanto um setor da classe dominante britânica esperneie, o processo parece imparável.

A parte da classe dominante britânica que anseia pelos bons velhos tempos, quando o Reino Unido era a principal potência militar e industrial do mundo e possuía um império que incluía a Índia, a Birmânia e grande parte da África e do Médio Oriente viu no Brexit uma oportunidade de reconquistar o esplendor perdido.

A sua opção era deixar a UE, assinar um acordo de livre comércio e uma sólida aliança militar com os Estados Unidos. O crescente confronto entre os Estados Unidos e a China facilitou-lhes a jogada. O presidente Donald Trump encorajou o Brexit e, com a intenção de enfraquecer a UE e erguer um muro de contenção contra a Rússia, levou à criação de um bloco de aliados europeus incondicionais liderados pelo Reino Unido e do qual fariam parte a Polónia, a Hungria e a Ucrânia .

Londres é há muitas décadas um dos maiores centros financeiros do mundo. No passado, o domínio britânico sobre Hong Kong proporcionou ao capitalismo britânico condições inigualáveis ​​para canalizar todo o tipo de investimento da Europa para a China e países do Leste Asiático, e também em sentido inverso. Hoje, apesar do seu declínio, ainda mantém uma posição relevante e os serviços financeiros contribuem com 6% do PIB britânico e cerca de 10% da sua receita fiscal.

Mas o desenvolvimento do capitalismo chinês minou aos poucos essa posição financeira privilegiada. Buscando a aliança com os EUA e apoiando-os na sua batalha contra a China pela hegemonia mundial, um setor da burguesia britânica tentava reconquistar pelo menos parte da posição de destaque.

img
Londres é há muitas décadas um dos maiores centros financeiros do mundo. Mas o desenvolvimento do capitalismo chinês minou aos poucos essa posição privilegiada.

Mas o setor financeiro sofreu o mesmo declínio rápido que afeta o restante capitalismo britânico. Em 2006, as empresas listadas na bolsa de Londres representavam 10,4% da capitalização de mercado global e 36% da europeia. Hoje essas percentagens caíram para 3,6% e 22% respectivamente e, o que é pior, as empresas de tecnologia contribuem com apenas 20% do valor negociado em Londres, contra 40% que contribuem em Wall Street.

Perante a fraqueza britânica, a burguesia estado-unidense não teve o menor interesse em finalizar a oferta de um acordo de livre comércio. Nem Trump, nem agora Biden, mostraram a menor preocupação em ajudar a classe dominante britânica a recuperar o seu esplendor, e o papel que lhe reservam é o de serem um simples aríete auxiliar no seu confronto económico com a China e na inevitável corrida armamentista que acompanha este conflito interimperialista.

O Partido Trabalhista sob o controlo da direita blairista

Como em muitos outros países, a classe trabalhadora e a juventude do Reino Unido viraram claramente à esquerda face aos cortes brutais que se seguiram à crise de 2008. O resultado desta viragem foi o triunfo de Jeremy Corbyn nas primárias do Partido Trabalhista de 2015. Opondo-se às políticas de austeridade e defendendo os serviços sociais, e apoiado por várias décadas de militância na ala esquerda dos trabalhistas, Corbyn mobilizou dezenas de milhares de jovens e trabalhadores que se alistaram no partido e lhe deram uma vitória retumbante.

Mas a convocação do referendo do Brexit, alguns meses depois, foi um teste que Corbyn não conseguiu passar. Para enfrentar uma situação de crise tão profunda como a que atravessa o capitalismo britânico, só há um caminho: defender um programa socialista e colocá-lo em prática por meio de uma formidável mobilização social.

Corbyn cedeu à pressão da direita blairista em todas as questões de fundo. Permitiu que milhares de vereadores continuassem a aplicar cortes nos municípios, renunciou à reeleição dos candidatos a deputado, deixando a nomeação destes nas mãos do aparatos de direita e, longe de apelar às bases para lutar contra estes tenentes da burguesia nas fileiras trabalhistas tentaram repetidas vezes chegar a acordos para "apaziguá-los".

A sua política perante o Brexit apenas serviu para enfraquecer a sua posição. Não apenas apoiou a permanência na UE como o mal menor, como também apoiou firmemente um segundo referendo que poderia reverter a decisão votada de deixar a UE e, quando o governo conservador caiu no caos como resultado das suas divisões internas, decidiu agir como um "estadista" e apelou a uma política de unidade nacional para enfrentar a crise.

Tudo isto, e muitas outras renúncias e erros que já discutimos mais extensivamente, fizeram Corbyn fracassar e frustraram a viragem à esquerda.

A direita trabalhista, apoiando-se na burocracia sindical, aproveitou a debilidade de Corbyn para o expulsar do partido e consolidar as posições mais reacionárias do blairismo.

Deste modo, a ausência de uma alternativa de classe tem marcado o curso dos acontecimentos políticos nos últimos meses. O caos desencadeado pelo Brexit foi acompanhado pela terrível dor e sofrimento causados ​​por uma gestão da crise da Covid que priorizou a manutenção dos lucros corporativos em vez da proteção da vida e da saúde dos seus cidadãos. Mesmo o Parlamento britânico, num relatório recente, não teve escolha a não ser reconhecer que o governo conservador é diretamente responsável por milhares de mortes.

img
A ausência de uma alternativa de classe marcou o curso dos acontecimentos políticos nos últimos meses. A experiência de Corbyn e a sua derrota oferecem grandes lições à vanguarda militante.

Apesar de tudo isto, Boris Johnson não parece temer pelo futuro do seu governo. A passividade dos sindicatos e do trabalhismo dá-lhe oxigénio para continuar com as suas políticas capitalistas, mesmo que seja forçado a fazer pequenas concessões para sustentar a paz social. Esta mesma semana [última semana de outubro], anunciou um aumento de 6,6% no salário mínimo a partir de abril próximo. Desta forma, o salário mínimo de um trabalhador a tempo inteiro aumentará 100 euros por mês, até 2.000 por mês. Mas considerando o preço exorbitante da habitação, da alimentação, dos transportes e a privatização dos serviços públicos, este aumento é uma gota no oceano.

É claro que os conservadores britânicos não se tornaram progressistas. Ao contrário. Eles sabem que se sentam sobre um barril de pólvora de descontentamento social e tentam por todos os meios neutralizar, ou pelo menos atrasar, uma possível explosão vinda de baixo. Os recentes triunfos de candidatos da esquerda em sindicatos importantes são um sinal de que a fúria está a crescer. Mas essa fúria deve ser transformada em organização consciente, militância revolucionária e mobilização nas ruas.

A experiência de Corbyn e a sua derrota oferecem grandes lições à vanguarda militante. É fundamental que a esquerda marxista britânica os assimile para construir uma alternativa da classe trabalhadora com raízes e credibilidade.

Sindicato de Estudantes

Os cookies facilitam o fornecimento dos nossos serviços. Ao usares estes serviços, estás a permitir-nos usar cookies.