Na terça-feira, 18 de outubro, quase meio milhão de jovens e trabalhadores manifestaram-se nas principais cidades francesas, numa demonstração de força que também teve de enfrentar a dura repressão policial. Os protestos fizeram parte de uma greve intersectorial de um dia, convocada pela CGT e outros sindicatos minoritários, contra a inflação, o ataque às pensões e a defesa do direito à greve.

Dezenas de milhares de trabalhadores ferroviários, das centrais nucleares e do setor da energia, enfermeiros, professores e outros funcionários públicos participaram da mobilização. Foi amplamente apoiado por importantes empresas privadas, como Magneti Marelli ou a CAF. As principais organizações estudantis também convocaram uma greve no ensino secundário e profissional com apoio massivo, apesar da ação provocativa da polícia de choque.

Anteriormente, a 29 de setembro e 16 de outubro, centenas de milhares de pessoas tinham participado em protestos contra a perda do poder de compra, este último convocado pela coligação de esquerda liderada por Jean-Luc Mélenchon.

O governo do reacionário Macron tem agora uma margem de manobra mais estreita e disseminar a sua tagarelice populista. Depois de afirmar que a "era da abundância está a chegar ao fim", este representante consumado da oligarquia financeira está a enfrentar a realidade. Os trabalhadores franceses ergueram-se contra os efeitos devastadores da inflação nas suas condições de vida e é evidente que o que aconteceu nas últimas semanas é apenas o aperitivo.

Greve nas refinarias francesas

Não há dúvida de que a ação no dia 18 foi desencadeada por outra grande batalha do proletariado francês: a greve que milhares de operários estão a realizar em quatro das sete refinarias do país. Teve início a 27 de setembro após a rutura das negociações com os patrões e está a ter um efeito económico muito importante: reduziu a produção de combustível em mais de 60%, provocou o encerramento temporário de mais de um terço das estações de serviço e um custo para a indústria petroquímica estimado em 8 milhões de euros por dia. A dureza da mobilização espalhou-se e infetou a força de trabalho de duas centrais nucleares que acabam de entrar em greve, às quais, segundo a CGT, se juntarão outras nos próximos dias.

img
Os trabalhadores franceses ergueram-se contra os efeitos devastadores da inflação nas suas condições de vida e é evidente que o que aconteceu nas últimas semanas é apenas o aperitivo.

Os trabalhadores das refinarias exigem um aumento salarial de 10% para compensar a perda do poder de compra. Uma reivindicação reforçada pelos enormes lucros obtidos pela indústria energética. Na segunda metade de 2022, os cinco grandes do sector (Exxon, Chevron, BP, Shell e Total) obtiveram 60 mil milhões de euros de lucros. A companhia petrolífera francesa Total ofereceu aos seus trabalhadores um aumento salarial insignificante de 3,5%, enquanto este Verão anunciou um pagamento de dividendos de 15 mil milhões de dólares aos seus acionistas e no início da greve anunciou um pagamento adicional de 2,62 mil milhões de euros.

O governo e o patronato tentaram quebrar a greve por inúmeros meios, mas até agora só conseguiram radicalizá-la. Primeiro tentaram a tática da divisão sindical, assinando um acordo com o CFDT, o sindicato ligado ao Partido Socialista francês. O acordo, que incluía um aumento salarial de 5,5%, foi rejeitado e provocou a indignação das bases do sindicato.

O governo e os capitalistas estão conscientes do risco da extensão das lutas. Nas últimas semanas estalaram greves entre os controladores de tráfego aéreo, no sector da eletricidade, na indústria automóvel, na Amazon e agora nas centrais nucleares. Por esta razão, após o fracasso da tática da divisão, o governo recorreu às forças policiais e às leis anti-terroristas.

A 11 de Outubro, a Ministra da Economia, Elisabeth Borne, anunciou a "requisição" forçada de vários depósitos de combustível das refinarias em greve. Se não cumprirem a lei, os trabalhadores enfrentam penas de prisão de seis meses e multas de milhares de euros. Mas esta ofensiva provocou a indignação dos piquetes e reforçou a determinação dos trabalhadores em lutar, levando ao apelo a uma greve geral a 18 de outubro.

A fraqueza do governo de Macron

Após a derrota nas eleições gerais de junho passado, a aliança de Emmanuel Macron's Ensemble (Juntos) perdeu a sua maioria no parlamento, deixando o governo numa posição muito enfraquecida. A fim de aprovar o orçamento do próximo ano, recorreu ao artigo 49.3 da Constituição, que lhe permite aprovar leis sem necessidade de votação no parlamento. Um método tipicamente bonapartista que reflete a gravidade da crise política francesa.

img
Após a derrota nas eleições gerais de junho, a aliança de Macron Ensemble perdeu a sua maioria no parlamento, deixando o governo numa posição muito enfraquecida.

Uma das razões para a greve foi o anúncio pelo governo da reforma da lei das pensões, que entre outros ataques inclui o aumento da idade da reforma de 62 para 65 anos. Esta contra-reforma não é nova. Nas últimas décadas, vários governos tentaram levá-la a cabo e todos eles se depararam com a oposição frontal da classe trabalhadora e das lutas de massas. O mais importante foi em 1995 contra o chamado plano Juppé, que desencadeou a maior vaga de greves desde 1968. Macron já tentou duas vezes, em 2019 e 2020, e também enfrentou uma oposição maciça. A "reforma" foi colocada em suspenso com a pandemia e agora voltou a retomá-la.

Nas últimas décadas, vimos líderes sindicais franceses limitarem-se a chamar greves e dias de luta isoladas numa tentativa de libertar algum do vapor da panela de pressão em que a sociedade francesa se tornou. Mas este recurso é cada vez mais limitado.

A organização de uma nova greve geral, mais extensa e que atinja as empresas privadas com toda a força, é uma tarefa fundamental para toda a esquerda revolucionária e anti-capitalista francesa. Uma greve organizada a partir de baixo, e não a toque de caixa, na qual se realizem assembleias democráticas em todos os locais de trabalho para eleger comités de greve, votando numa plataforma de reivindicações que não se limite a aumentos salariais, sem diminuir a importância desta questão, e que inclua a nacionalização e expropriação sob o controlo dos trabalhadores dos sectores estratégicos da economia, a defesa dos serviços públicos, a unidade do movimento operário com a juventude estudantil.

A greve dos trabalhadores da refinaria, as manifestações maciças das últimas semanas, o dia de ação no dia 18, mostram claramente qual é o estado de espírito da sociedade francesa, e a possibilidade real de transformar esta raiva e indignação num movimento de massas capaz de derrubar Macron e o seu governo de direita. Não há tempo a perder.

JORNAL DA ESQUERDA REVOLUCIONÁRIA

Sindicato de Estudantes

Os cookies facilitam o fornecimento dos nossos serviços. Ao usares estes serviços, estás a permitir-nos usar cookies.