Os resultados da segunda volta das eleições presidenciais francesas podem parecer, à primeira vista, uma repetição das eleições de 2017. Os candidatos são os mesmos e Macron vence de novo sobre Le Pen, embora por uma margem muito menor que em 2017 e com uma participação de 71,8%, a mais baixa desde 1969.

Mas muitas coisas mudaram desde 2017, e seria um erro ignorá-las. Em 2017, Macron teve praticamente o dobro os votos da candidata da extrema-direita, mas desta vez a distância foi reduzida em quase metade. Uma parte dos eleitores à esquerda votou naquele ano em Macron com o nariz tapado para evitar a vitória de Le Pen. Nesta ocasião, a crescente convergência das políticas reacionárias de Macron com o programa de Le Pen convenceu muitos desses eleitores de que Macron não é uma barreira contra a extrema-direita e que a única maneira de a combater é nas ruas e apoiando eleitoralmente a France Insoumise, a plataforma de esquerda liderada por Jean-Luc Mélenchon e, consequentemente, optou pela abstenção e o voto nulo ou em branco.

O fundamental é observar o processo completo e entender as tendências de fundo que estas presidenciais destacaram. Primeiro, porque a candidatura de Mélenchon aumentou com um resultado histórico na primeira volta, vencendo em muitas das grandes cidades de França e no cinturão vermelho de Paris; e, em segundo lugar, porque estas eleições deram a machadada final nos dois grandes partidos tradicionais que governaram a V República durante décadas.

Avanço de Mélenchon e da France Insoumise

Mélenchon obteve uns resultados muito significativos que estiveram a ponto de virar a situação. Com 7.714.949 votos e 21,95% ficou apenas a 421.400 votos (1,2 pontos) de Le Pen.

Se a estes resultados se adicionarem os do PCF (2,28%), os do NPA (0,77%) e os da Lutte Ouvrière (0,56%), o total alcança os 8.983.732 votos, ou seja, 25,56%, dois pontos percentuais acima de Le Pen e apenas a dois pontos de Macron. A campanha da segunda volta ter-se-ia tornado uma disputa política com um caráter completamente diferente e o panorama político poderia ter sido completamente abalado. A possibilidade de Mélenchon vencer as presidenciais teria sido muito real, mobilizando muitos dos abstencionistas de esquerda.

img
Mélenchon obteve um grande resultado na primeira volta. Adicionando os votos do PCF, NPA e Lutte Ouvrière, teria superado Le Pen e ficado a dois pontos de Macron.

Infelizmente, a decisão de manter os candidatos sem hipóteses frustrou esta possibilidade. A cegueira dos defensores dessa estratégia sectária é evidente.

Em qualquer caso, o avanço da France Insoumise (FI) demonstra o potencial para formar uma frente anticapitalista e antifascista e as oportunidades que existem para levantar uma esquerda de classe e combativa. A ascensão das lutas durante a presidência de Macron, especialmente a revolta dos "coletes amarelos" e as grandes greves contra a privatização de pensões, dos trabalhadores ferroviários e da educação pública, teve o seu reflexo no campo eleitoral. É importante sublinhar isto e combater a campanha de que, em França, o progresso da extrema-direita é o único facto relevante.

Avanço da extrema-direita e colapso da direita republicana e dos socialistas

A direita republicana tradicional, o gaulismo, que desde o fim da Segunda Guerra Mundial foi o pilar mais forte do sistema político francês, perdeu 5.533.525 votos, de 20,01% para 4,78%. Macron só conseguiu convencer uma pequena parte desses eleitores, que optaram, na sua maioria, pela extrema-direita ou pela abstenção.

A profunda polarização social e política que a França vive, como está a acontecer no resto do mundo, empurra o voto conservador tradicional em direcção às forças de extrema-direita racistas, homofóbicas e proto-fascistas. Estas eleições são uma nova confirmação deste aspecto: o Rassemblement National de Le Pen e o ainda mais extremado Zemmour obtiveram 30,22% dos votos na primeira volta, e na segunda Le Pen conseguiu aumentar esse resultado para 41,8%. Um sério perigo para a classe trabalhadora e os direitos democráticos, que demonstra a corrosão sofrida pela democracia burguesa num dos países capitalistas mais desenvolvidos.

Mas Macron tampouco conseguiu beneficiar do afundamento do Partido Socialista, que nas últimas décadas compartilhou com a direita republicana a responsabilidade de assegurar a estabilidade do capitalismo francês. Em 2012, o PS ganhou a presidência da República com 51,64% dos votos, mas a sua política de cortes e a sua completa submissão ao capitalismo francês provocou a sua derrota estrondosa em 2017, com apenas 6,36%. Na primeira volta destas presidenciais, o candidato socialista só alcançou uns ridículos 1,75%, uma situação que põe em risco a existência do partido.

Os trabalhadores e a juventude em luta contra a Macron

A presidência de Macron esteve marcada estes cinco anos por políticas capitalistas selvagens contra a classe trabalhadora, autoritarismo e repressão. Tem sido um fiel servidor dos grandes monopólios capitalistas franceses, eliminando os impostos dos mais ricos e aprovando uma reforma laboral brutal que facilitou a contratação temporária e os despedimentos, abriu a porta a jornadas laborais de até 46 horas por semana e atacou duramente a negociação coletiva. Também promoveu uma contra-reforma agressiva das pensões, que foi interrompida por greves e mobilizações de massas que paralisaram o país durante quase três meses. Durante a sua presidência, os números da pobreza não pararam de crescer, e 21% da população está abaixo do limiar da pobreza.

O profundo mal-estar social com as políticas de Macron e a sua identificação completa com os multimilionários abriram o caminho para a demagogia nacionalista e racista da extrema-direita, especialmente entre os amplos setores das camadas médias empobrecidas cada vez mais histéricas face à crescente incerteza que lhes oferece o capitalismo. Para isto também contribuiu o distanciamento de Mélenchon face as grandes mobilizações sociais e a falta de apoio consequente. A insuficiência do programa da FI, que permanece orientado para a ação puramente institucional e evita apoiar-se plenamente na mobilização nas ruas oferecendo uma alternativa socialista, é um fator decisivo para que a demagogia de Le Pen continue a manter este importante apoio.

img
Le Pen é um sério perigo para a classe trabalhadora e os direitos democráticos e demonstra a corrosão sofrida pela democracia burguesa num dos países capitalistas mais desenvolvidos.

Uma ascensão da extrema-direita à qual não é alheia a classe dominante, que viveu com preocupação crescente a revolta social contra Macron e as suas reformas. Esta preocupação, o descrédito e o desgaste de Macron, e o medo de que Mélenchon possa canalizar esse descontentamento à esquerda, como agora se confirmou, levou a burguesia francesa e a sua comunicação social a manobrar abertamente para branquear Le Pen. A estratégia é clara: se o descrédito de Macron continuar a aumentar, exceto entre os milionários e as classes mais altas, a possibilidade de colocar Le Pen como garante dos negócios do grande capital deve estar em cima da mesa.

É a hora de construir uma esquerda combativa, anti-capitalista e revolucionária

Os bons resultados de Mélenchon nos bairros operários das grandes cidades — mais de 60% em algumas circunscrições de Paris e a primeira força em 6 das 10 maiores cidades — refletem como esta década de grandes batalhas não foi em vão, mas que pelo contrário esteve repleta de lições para os trabalhadores e a juventude.

As próximas eleições legislativas do mês de junho serão uma nova oportunidade para a esquerda. É essencial enfrentá-las com um programa que ofereça uma resposta real aos problemas da classe trabalhadora e que esteja ligada à vontade de combater que os trabalhadores e os jovens franceses demonstraram uma e outra vez, e que voltarão a demonstrar no próximos meses, como indicam as mobilizações da juventude dos últimos dias contra a extrema-direita.

img
É essencial enfrentar as eleições legislativas de junho com um programa de esquerda real, que se apoie na combatividade demonstrada pelos trabalhadores e jovens franceses.

Mélenchon e a FI mantêm viva a ilusão de que é possível reformar este sistema a partir de dentro. Os factos já demostraram que esta perspectiva é um caminho sem saída e que este é o momento de uma política socialista e anti-capitalista consequente. Mas seria um erro alegar esse reformismo como uma desculpa para rejeitar uma tática eleitoral de apoio crítico à FI, mantendo ao mesmo tempo uma posição de independência de classe. Este é também o caminho para os comunistas revolucionários alcançarem milhares de ativistas e ganharem-nos para a tarefa de construir um partido revolucionário à altura das tarefas que enfrentamos.

JORNAL DA ESQUERDA REVOLUCIONÁRIA

Sindicato de Estudantes

Os cookies facilitam o fornecimento dos nossos serviços. Ao usares estes serviços, estás a permitir-nos usar cookies.