A 21 de junho, com um apoio massivo, começou a greve dos ferroviários e do metro de Londres. Esta é a maior luta sindical em três décadas, e tudo indica que será o sinal de partida para uma onda muito mais ampla de luta de classes.

A razão para este conflito é dupla. Em primeiro lugar, obter um aumento salarial que compense parcialmente o aumento do custo de vida. Os sindicatos pedem um tímido aumento de 7%, quando o Banco da Inglaterra calcula que a inflação chegará a 11% em outubro, mas foram recebidos com a recusa enfática dos empregadores que aceitam apenas 3%.

Em segundo lugar, os trabalhadores reivindicam a manutenção dos seus empregos diante dos planos de demissões em massa planeados pelas empresas do setor com o apoio do governo conservador. Desde a privatização do transporte público na década de 1980, no governo de Margaret Thatcher, houve uma destruição selvagem de empregos que provocou uma grave deterioração na qualidade do serviço e a precarização das condições de trabalho. Agora, os trabalhadores do setor disseram "Basta!" e recusam que os seus sindicatos negoceiem uma nova destruição de postos de trabalho.

A classe trabalhadora britânica em pé de guerra contra o custo de vida

O aumento de preços no Reino Unido atingiu neste mês de junho o nível mais alto dos últimos 40 anos, 9,1%.

Nestas circunstâncias, após décadas de políticas de austeridade e congelamento de salários, milhões de trabalhadores em todos os setores percebem que as suas condições de vida estão cada vez mais próximas da pobreza. É por isso que é muito provável que, nas próximas semanas, seguindo os passos dos trabalhadores dos transportes, professores, trabalhadores da saúde, carteiros e cuidadores de pessoas dependentes entrem em greve. Até mesmo os elegantes advogados britânicos ameaçaram entrar em greve se as suas exigências não fossem atendidas.

Muitos destes setores já começaram formalmente a votar para aprovar a convocatória de greve, para que, se os patrões e o governo não mudarem de ideia, o Reino Unido caminhará para um "verão do descontentamento" ou, como o arqui-reacionário jornal The Sun anunciou sem rodeios à “guerra de classes”.

Nos últimos 12 anos, os professores perderam pouco mais de 20% do valor real dos seus salários. Por esta razão, os 750.000 professores e professores filiados aos sindicatos NEU e NASUWT estão a debater entrar em greve desde o primeiro dia do próximo ano lectivo, se as autoridades educativas não lhes oferecerem um aumento salarial compatível com o aumento do custo de vida . Também os enfermeiros atingiram o limite da sua paciência. O seu sindicato exige um aumento de 15% para lidar com a inflação.

É apenas uma questão de tempo até que novas empresas e setores se juntem à exigência por salários dignos. Enquanto este artigo era escrito, os funcionários da British Airways no aeroporto de Heathrow votaram para entrar em greve se a empresa não devolver os 10% do salário que cortou com a desculpa da pandemia.

O governo conservador em pé de guerra contra a classe trabalhadora

As exigências levantadas por esta onda de greves, que parecem mais do que razoáveis, colidem frontalmente com os fundamentos da ordem capitalista no Reino Unido. Aumentos massivos de preços e planos de demissões em massa, a substituição de trabalhadores permanentes por trabalhadores precários e, muito importante, a criação de um clima de medo entre a força de trabalho, representam uma estratégia fundamental para aumentar a taxa de lucro das empresas diante da recessão mundial que se aproxima.

img
O governo conservador de Boris Johnson colocou sobre a mesa uma proposta de legislação anti-sindical que permitiria aos empregadores usar agências de emprego temporário para contratar fura-greves e acabar com greves.

É por isso que os patrões britânicos se fecharam em copas perante as exigências sindicais e tudo indica que podemos vir a testemunhar os primeiros compassos de uma grande revolta da classe trabalhadora britânica.

O governo conservador de Boris Johnson, que acaba de superar por pouco uma moção de confiança levantada a partir das fileiras do seu próprio partido, não hesitou nem por um segundo em cerrar fileiras com os patrões. O vice-primeiro-ministro, Dominic Raab, deixou bem clara a posição da classe dominante britânica no primeiro dia da greve: "O governo não pode permitir que os sindicatos ganhem este conflito".

O primeiro passo para tentar reprimir o protesto dos trabalhadores foi colocar na mesa uma proposta de legislação anti-sindical que permitiria aos patrões usar agências de trabalho temporário para contratar fura-greves e acabar com greves. Medida semelhante já vigorava no Reino Unido até a década de 1970, quando inúmeras lutas sindicais conquistaram a sua revogação.

De momento, os líderes sindicais britânicos não se estão a mostrar à altura da combatividade das suas bases. Em vez de liderar o sentimento de raiva e determinação perante o desafio do governo conservador, a cúpula da Trades Union Congress (TUC) está com medo.

Conscientes de que se prevê um confronto frontal, não pensaram em nada melhor do que dirigir uma carta aberta ao governo, assinada pelos secretários-gerais dos 14 principais sindicatos do país e publicada no último domingo, suplicando para que os empresários concordem negociar para evitar a próxima batalha.

A última grande mobilização da classe trabalhadora britânica, a greve dos mineiros da década de 1980, foi derrotada, abrindo anos sombrios de crescente exploração e empobrecimento para setores cada vez mais amplos da classe trabalhadora. Nessa derrota, a burocracia sindical teve um papel decisivo, que isolou os mineiros e não respondeu ao seu apelo à greve geral.

As circunstâncias de hoje são muito diferentes das dos anos 80. A classe trabalhadora pagou muito caro pelo declínio do capitalismo britânico, como testemunham os 14 milhões de pobres, 22% da população do país. Após a pandemia e o duro impacto do Brexit, a onda de inflação deste ano lançará 1,3 milhões de pessoas na pobreza absoluta – ou seja, não terão acesso a alimentos suficientes – segundo um estudo do think-tank Resolution Foundation.

O conflito será longo e difícil, mas abrirá grandes possibilidades para que as tradições combativas e militantes dos trabalhadores britânicos ressurjam com força.

JORNAL DA ESQUERDA REVOLUCIONÁRIA

Sindicato de Estudantes

Os cookies facilitam o fornecimento dos nossos serviços. Ao usares estes serviços, estás a permitir-nos usar cookies.