De 17 a 19 de setembro a Rússia realizou eleições para o Parlamento Nacional (Duma), no momento de maior desgaste do regime de Putin nos últimos vinte anos. Embora, de acordo com os resultados oficiais, o Rússia Unida tenha obtido 28.064.258 votos (49,82%), as denúncias de fraude eleitoral têm sido numerosas, a começar pelas feitas, com bastante rigor, pelo principal partido da oposição e que agrupou o voto de descontentamento, o Partido Comunista da Federação Russa (PCFR).

Após os protestos massivos contra o Kremlin nesta primavera, as eleições ratificam o processo de crescente polarização e descontentamento. O PCFR, que obteve 10.660.599 (18,9%), viu o seu apoio aumentar em 3,6 milhões de votos em comparação com 2016, um aumento de 51,9%. O PCFR reivindicou a vitória eleitoral em quatro regiões do país, além de desafiar os resultados do Rússia Unida em cidades como Moscovo graças a um gigantesco impulso do voto postal.

Em contraste com este resultado, os partidos de oposição de direita e neoliberais sofreram uma perda significativa de votos: o Partido Liberal Democratico da Rússia (LDPR) com 7,55% reduziu o seu apoio em 2.664.994; o Yabloko, com 1,34%, também perdeu 298.005, e o Rodina, com 0,8%, outros 341.729 votos.

A vitória do Rússia Unida foi engendrada por uma grande fraude eleitoral, que incluiu a exclusão prévia de vários candidatos do partido de Alexej Nawalny. A sua aplicação de “votação inteligente”, que fornecia uma lista dos candidatos mais bem colocados para derrotar o partido de Putin, e que claramente beneficiava o PCFR, foi removido pela Apple e pelo Google sob pressão do Kremlin no mesmo dia em que começou a votação eletrónica. Existem numerosas evidências de fraude massiva tanto na votação presencial, com manipulação de urnas nas quais centenas de votos foram inseridos, quanto no sistema de votação eletrónica.

img
Após os protestos massivos contra o Kremlin nesta primavera, as eleições ratificam o processo de crescente polarização e descontentamento.

Crise económica, desigualdade e pobreza

A crise do capitalismo russo e a sua incapacidade de responder às necessidades dos trabalhadores e dos pobres alimentam esses eventos. A desigualdade económica, num país onde se estima que uma quantia equivalente a 75% do PIB escapou para paraísos fiscais, atingiu proporções insuportáveis. Estima-se que os 10% mais ricos da população detenham 87% da riqueza do país. Durante a crise da covid-19, mais de um milhão de pessoas caíram na pobreza e as diferenças entre as regiões aprofundaram-se.

A economia russa depende em grande parte da exportação de matérias primas, especialmente petróleo e gás, que representam mais de 60% do total das exportações russas e mais de 30% de seu PIB. A queda dos preços internacionais do petróleo durante a pandemia, como em 2008 ou 2014, colocou a balança comercial do país em sérios problemas, aumentando o déficit público. A nova subida dos preços do petróleo e do gás, embora possa mitigar essas dificuldades, gera novos e sérios perigos devido ao aumento da inflação, hoje em 6,7%.

A perda de receitas, e o facto de o Governo da Rússia Unida nada mais ser do que um comitê político da plutocracia imperialista que administra despoticamente os assuntos do país pdesde há duas décadas, levaram Putin a promover importantes contra-reformas e cortes sociais que têm vindo a minar a sua autoridade entre amplos sectores da classe trabalhadora e das classes médias. A reforma das pensões de 2018, por exemplo, aumentou a idade de aposentadoria dos homens para 65 e das mulheres para 63, quando a expectativa de vida dos homens é de 68 anos ou até menos entre a população mais pobre.

Durante a crise da covid-19, os salários reais voltaram a cair até 12%, atingindo os níveis mais baixos numa década. Entre janeiro e setembro de 2020, o rendimento real disponível diminuiu, em média, 4,3%. Segundo diferentes sondagens da imprensa, mais de 40% da população afirma não ter dinheiro para comprar roupas e comida.

Para responder a uma realidade que nada tem que ver com propaganda oficial, Putin anunciou pouco antes das eleições a entrega de uma nova remuneração extraordinária tanto para reformados — 43 milhões numa população de 110 milhões — quanto para funcionários públicos, que representam um terço dos empregos do país. Ele também anunciou um significativo aumento salarial para polícias e militares em 2022 e 2023, garantindo que estaria sempre acima da inflação. Medidas que refletem o temor existente no Kremlin frente ao crescente descontentamento social e que procuram garantir um firme apoio entre os órgãos repressivos do Estado.

O PCFR tem de deixar de ser a “oposição responsável”

O PCFR, que tem participado em protestos contra os cortes sociais do governo e a favor das reformas democráticas, o que em parte explica seu significativo avanço nestas eleições, há anos cultiva a política de uma “oposição responsável e patriótica” ao regime de Putin, agindo mais como aliado do que adversário deste fiel representante da oligarquia capitalista.

Mas a crescente polarização social e a pressão dos movimentos sociais abriram contradições dentro do partido. Embora o aparelho governante, liderado por Gennadi Zyuganov, tenha feito purgas sistemáticas contra candidatos que expressaram posições mais à esquerda1 — o que em parte se explica pela dependência económica do partido de financiamento estatal e de doações de empresãrios ricos — há uma tendência interna cada dia mais forte para que o partido atue como oposição firme e de classe.

É claro que as manobras do Kremlin para amestrar o PCFR também se estão a intensificar, como visto nas últimas eleições, quando diferentes cisões pela direita do partido como "Rússia Justa" ou "Comunistas da Rússia", incentivados por Putin, se apresentaram como candidatos de forma a enfraquecer o voto a favor do PCFR. A determinação de Putin em cortar qualquer tentativa séria de oposição pela raiz é um bom exemplo de como o seu regime está ciente dos perigos de despertar a classe trabalhadora russa.

Em qualquer caso, é evidente que o PCFR beneficiou do mal-estar social generalizado e do voto de protesto de camadas de trabalhadores e sectores empobrecidos. Mas este apoio ainda não se traduziu numa luta consequente contra o corrupto regime capitalista de Putin. Em momentos críticos, a direção do partido comportou-se como um aliado confiável, exibindo também uma degeneração ultranacionalista que nada tem que ver com o internacionalismo proletário e que serviu para amplificar o discurso reacionário de Putin.

img
O PCFR beneficiou do mal-estar social generalizado e do voto de protesto de camadas de trabalhadores e sectores empobrecidos, mas este apoio ainda não se traduziu numa luta consequente contra o regime capitalista.

Precisamos de voltar ao programa do marxismo revolucionário, do comunismo genuíno!

Para combater efetivamente o capitalismo russo é necessário construir um movimento revolucionário de massas da classe trabalhadora e da juventude. Todas as correntes e tendências à esquerda dentro do PCFR devem travar uma batalha séria e principista contra uma liderança que demonstrou a sua incapacidade em defender o programa leninista. Deve ser hasteada a bandeira da expropriação dos grandes plutocratas e dos monopólios sob o controle democrático da classe trabalhadora. Devemos defender salários, pensões, benefícios sociais, acesso à moradia, educação e saúde pública, direitos democráticos e liberdade de expressão e de organização da única forma efetiva: mobilizando a classe trabalhadora e a juventude com um programa genuinamente socialista.

A oposição liberal, liderada por elementos com Alexei Navalny nada mais é do que uma extensão do imperialismo ocidental composta por aspirantes a oligarcas ou oligarcas caidos em desgraça que só procuram enriquecer à custa de aumentar a miséria das massas russas.

O futuro está nas mãos da classe trabalhadora russa. De acordo com uma pesquisa do Levada Center de agosto de 2021, quase dois terços da população russa (62%) — o valor mais alto desde 1992 — é a favor de uma economia planificada que levaria a um melhor sistema económico. Dados que mostram o potencial explosivo fruto das contradições sociais que se estão a acumular.

Nesta situação histórica, conhecer e estudar o legado de Leon Trotsky na sua luta contra a degeneração burocrática do Estado Soviético e do Partido Comunista, em defesa da democracia operária e do programa do bolchevismo contra o regime autoritário do stalinismo, é essencial para compreender as tarefas atuais dos comunistas na Rússia.

1. Este é o caso da expulsão de Elena Shuvalova, que se recusou a votar com o PCFR no orçamento da Câmara Municipal de Moscovo para incluir cortes sociais.

Sindicato de Estudantes

Os cookies facilitam o fornecimento dos nossos serviços. Ao usares estes serviços, estás a permitir-nos usar cookies.