Desde 1905 que os bolcheviques possuíam uma organização militar dedicada à propaganda clandestina entre as tropas. Depois da revolução de Fevereiro de 1917, a actividade do partido entre os soldados adquiriu uma dimensão enorme: não se tratava só de debilitar a oficialidade czarista e frustrar qualquer tentativa de golpe militar contra os sovietes, para o qual os quadros bolcheviques impulsionaram a criação de comités de soldados; também trabalhava-se para agrupar as futuras forças da insurreição armada.

Na Conferência Pan-Russa de Organizações Militares Bolcheviques, celebrada a 16 de Julho, estiveram representadas 500 unidades que agrupavam 30.000 soldados. Após a falhada ofensiva militar de Julho e a tentativa de golpe do general Kornilov, a influência bolchevique nos quartéis e trincheiras cresceu irresistivelmente: no mês de Setembro contavam com o apoio maioritário da guarnição de Petrogrado e numerosos regimentos de Moscovo, enquanto as tropas da frente Norte e a frota do Báltico tinham-se transformado num baluarte seguro do bolchevismo.

Para além do trabalho entre os soldados, os bolcheviques organizaram os Guardas Vermelhos, cujo papel seria decisivo para o êxito da insurreição e crucial na organização inicial do Exército Vermelho. Reflectindo o duplo poder existente ao longo de 1917, este destacamento armado da vanguarda proletária sofreu numerosas tentativas de desarmamento pelo Governo Provisório, frustradas sempre pelo empenho dos bolcheviques em mantê-las.

Os soldados revolucionários e os Guardas Vermelhos constituíram as tropas de choque para a tomada do poder e conseguiram as primeiras vitórias militares face à contra-revolução interna. Mas a situação ainda havia de se complicar muito mais. Enfrentar as organizações políticas do antigo regime era uma coisa, mas repelir a intervenção militar directa das potências imperialistas que instruíam, armavam e dirigiam a actividade armada dos generais czaristas era outra muito diferente. Sem a agressão exterior, as possibilidades de uma guerra civil — como foi o caso — teriam sido escassas.

A defesa armada da revolução

O Segundo Congresso dos Sovietes — que sancionou a tomada de poder dos bolcheviques — aprovou também numerosos decretos revolucionários, entre eles o que escreveu Lenin a favor de uma paz justa e democrática para acabar com o massacre imperialista.

Todos os governos beligerantes foram convidados a abrir negociações. A Grã-Bretanha e a França rejeitaram a proposta soviética, mas a Alemanha — a potência beligerante mais importante — aceitou-a consciente das debilidades militares da Rússia soviética. As condições draconianas que os alemães exigiram provocaram uma importante crise dentro do Governo e do partido bolchevique. Lenin era partidário de assinar imediatamente a paz, mas enfrentou um sector relevante do comité central integrado por Bukharin Preobrazhenski, Bubnov, Uritski, Piatakov, que defendiam a guerra revolucionária contra o imperialismo alemão (os chamados "comunistas de esquerda"). A posição de Trotsky, nomeado Comissário do Povo para Assuntos Exteriores, era abrir negociações e ganhar tempo impulsionando a revolução na Alemanha.

Após diferentes rondas na cidade bielorrussa de Brest-Litovsk, o Estado Maior alemão rejeitou sem cerimónia as tácticas de Trotsky e dos representantes soviéticos, que dilataram as conversações o máximo possível para propiciar o levantamento dos trabalhadores alemães. Finalmente, a 17 de Janeiro de 1918, o exército germânico desencadeou uma dura ofensiva e os dirigentes bolcheviques não tiveram outra opção senão voltar à mesa de negociação aceitando concessões territoriais muito duras sobre a Ucrânia, Letônia, Estônia e Lituânia. Os imperialistas alemães apropriaram-se de 27% da superfície cultivável da Rússia soviética, de 26% das via férreas e de 75% da sua produção de aço e ferro. A 3 de Março de 1918, o Conselho de Comissários do Povo, obrigado pela sobrevivência da revolução, assinou a proposta alemã de "paz" que não tinha nada de justa ou democrática.

A experiência de Brest lançou luz sobre as tarefas militares que enfrentava o Estado operário. Combater um exército como o alemão representava desafios de uma natureza muito diferente do que podia supor a arte da insurreição ou lutar com as forças desmoralizadas de Kerenski. A situação piorou muito mais durante a Primavera e o Verão de 1918: os alemães ocupavam a Polónia, Lituânia, Letônia, Bielorrússia, e um bom pedaço da Grã-Rússia. A Ucrânia tinha sido convertida numa colónia germano-austríaca  graças à colaboração dos nacionalistas burgueses da Rada ucraniana. Para piorar as coisas, a Legião Tchecoslováquia, composta por prisioneiros de guerra, levantou-se a mando do alto comando francês e britânico, enquanto no Sul atiçava-se a sublevação dos brancos comandados por Krasnov, e no Norte os britânicos ocupavam Murmansk e Arkhangelsk. A revolução estava ameaçada por todos os lados.

Nesta situação de emergência, a tarefa de armar a revolução foi confiada por Lenin a Leon Trotsky, designado Comissário de Guerra pelo Comité Central do partido bolchevique e o Comité Executivo dos Sovietes em Março de 1918. O seu trabalho excepcional neste terreno, corporificado brilhantemente nos seus escritos militares, são parte do melhor legado do movimento operário e da revolução socialista.

Um exército de classe, disciplinado e com um comando centralizado

Trotsky partia do ponto de vista marxista da guerra, como uma continuação da luta de classes por meios militares, mas descartou qualquer formalismo doutrinal. Utilizando de forma criativa e audaz todos os recursos que estavam ao seu alcance, desafiou ideias e conceitos aparentemente "principistas" mas ineficazes nas condições extremas em que se apresentava o combate.

Ele próprio destaca as enormes dificuldades com que se deparou: «Depois da desagregação do velho exército permaneceu um ódio no país, um ódio implacável à casta militar. O velho exército suportou enormes sacrifícios, não colheu mais que derrotas, humilhações, retiradas, milhões de mortos e inválidos, e milhares de milhões de despesas. Não é surpreendente que esta guerra tenha deixado na consciência do povo uma terrível repulsa ao militarismo e às tropas. E foi nestas condições, camaradas, em que começámos a criação de um exército. Se tivéssemos construído sobre um terreno virgem, a coisa teria sido, desde o começo, mais fácil e segura. Mas não: coube-nos construir o exército sobre um terreno coberto pelo sangue e a lama da guerra passada, sobre o terreno da necessidade e do esgotamento, quando o ódio à guerra e a tudo que era militar estava vivo em milhões e milhões de trabalhadores e camponeses.» [1]

Como começar o trabalho de reconstrução militar entre aquele desânimo geral? As primeiras medidas, centradas no recrutamento de voluntários comunistas e trabalhadores de vanguarda, mostraram-se insuficientes para as tarefas que a situação exigia. Claro que era necessário integrar aos mais entusiastas e devotos militantes revolucionários, um núcleo consciente que irradiasse força moral para agrupar camadas mais vastas de operários e camponeses. Mas numa guerra de grandes dimensões era necessário contar com uma massa numerosa de soldados, disciplinada, disposta aos maiores sacrifícios, que fosse dirigida por comandantes competentes e instruídos.

O plano que Trotsky apresentou na Primavera de 1918 ao Comité Executivo Pan-Russo dos Sovietes  apoiava-se em três eixos estratégicos: a) instrução geral obrigatória que se foi impondo progressivamente, primeiro recrutando os trabalhadores de Petrogrado, Moscovo e outras cidades, incorporando depois de forma massiva os camponeses pobres; b) utilização de especialistas militares, ou o que é o mesmo, emprego dos oficiais e suboficiais do antigo exército; c) estabelecimento de um comando único e centralizado.

A aplicação deste programa suscitou uma forte oposição interna dentro do partido. Os "comunistas de esquerda" rejeitaram vivamente esta orientação, alegando que o recurso aos oficiais czaristas minaria o carácter revolucionário e classista do novo exército, e que a centralização e o comando único aflorariam a velha estrutura de oficiais designados destruindo a democracia electiva dos comités de soldados.

Estes argumentos, que mais tarde seriam utilizados no que se denominou de "doutrina militar proletária", foram respondidos por Trotsky com factos e argumentos: «Já disse no meu informe que se os perigos que nos ameaçam se limitassem à contra-revolução interna, não teríamos necessidade, em geral, de um exército. Os operários das fábricas de Petrogrado e Moscovo poderiam criar em qualquer momento destacamentos de combate suficientes para esmagar… qualquer tentativa de sublevação armada dirigida a devolver o poder à burguesia. Os nossos inimigos interiores são demasiado insignificantes e lamentáveis para que fosse necessário criar na luta contra eles um aparato militar perfeito, construído sobre bases científicas e mobilizar toda a força armada do povo. Se agora necessitamos dessa força é, justamente, porque o regime e o país soviéticos estão gravemente ameaçados desde o exterior, porque os nossos inimigos interiores são fortes apenas em virtude do vínculo de classe que os une aos nossos inimigos de classe exteriores. E precisamente neste aspecto vivemos um momento no qual a luta pelo regime que estamos a criar depende, directa ou indirectamente, de levar a capacidade defensiva do país ao seu máximo nível.» [2]

O recurso aos velhos oficiais surgia das necessidades imperiosas da defesa armada da revolução. Para Trotsky, não se tratava de uma discussão principista sobre a fisionomia que o exército deveria adoptar numa sociedade socialista, baseado nas milícias cidadãs territoriais tal como Engels havia apontado em numerosos escritos. Uma força armada desse tipo somente poderia ser criada numa etapa de abundância e progresso das forças produtivas, de desenvolvimento tecnológico da sociedade e de grande nível cultural da população, condições ausentes na Rússia destruída e arruinada de 1918.

Trotsky insistiu que o legado cultural de que a revolução se havia apropriado deveria salvar-se e, ao mesmo tempo, transformar-se como meio de instrução e construção socialista graças a tudo com que o novo poder proletário pudesse contribuir. Enquanto a revolução precisava de ser defendida, a capacidade e os conhecimentos militares do passado deveriam ser considerados parte deste legado. Não se tratava de princípios abstractos, mas sim da urgência do Estado operário de esmagar a contra-revolução e a intervenção imperialista. Apoiando-se numa concepção dialéctica e não formal, não havia outra forma que não reconhecer a contradição que existia, no terreno militar, entre o poder potencial da classe trabalhadora vitoriosa e o seu atraso cultural e científico.

Trotsky não se enganava sobre o carácter de muitos destes oficiais, que em não poucos casos procederam à sabotagem e a deserção. Mas confiava no poder de atracção da revolução e, para assegurar a sua lealdade, colocou ao seu lado os chamados comissários vermelhos, ou seja, militantes comunistas testados. Este tipo de organização militar tinha os seus antecedentes imediatos no período jacobino da Revolução Francesa e funcionou com êxito. Trotsky estabeleceu claramente as atribuições do comandante — que era responsável pelo adestramento e das operações militares —, e do comissário — que velaría pelo comportamento leal daquele e da moral das tropas.

Como assinalou Isaac Deustcher, «ninguém concedeu à eficácia deste sistema uma homenagem mais plena ainda que mais relutante do que Denikin [general branco], sua vítima: «O Governo soviético pode estar orgulhoso da habilidade com que escravizou a vontade e o cérebro dos generais e oficiais russos, fazendo deles o seu instrumento involuntário, mas obediente.» [3]

A mesma argumentação podia aplicar-se ao comando único e ao papel dos comités de soldados na hora de designar oficiais no Exército Vermelho. Trotsky insistia: o direito dos soldados a eleger os seus comandantes, uma reivindicação que foi introduzida audazmente pelos bolcheviques após a revolução de Fevereiro, impediu a acção contra-revolucionária do alto comando czarista. Porém, dentro do exército da revolução proletária, esse método, próprio da luta de classes contra os capitalistas, não faria mais do que obstaculizar a execução de ordens tomadas em condições excepcionalmente difíceis. Um comando único centralizado era imprescindível para poder optimizar a defesa contra forças militares superiores.

Trotsky insistiu na ordem, disciplina, limpeza e preparação do novo Exército Vermelho. Mas não concebia a sua força somente de um ponto de vista da técnica e da organização escrupulosa. O Exército Vermelho baseava-se na classe trabalhadora e no campesinato pobre: a sua moral dependia da sua consciência revolucionária colectiva e dos objectivos socialistas e internacionalistas pelos quais lutava.

O juramento do soldado do Exército Vermelho era a melhor demonstração desta concepção:

«Eu, filho do povo trabalhador, cidadão da República Soviética, adopto o título de soldado do exército operário e camponês. Ante as classes trabalhadoras da Rússia e do mundo inteiro, comprometo-me a levar este título com honra, a estudar conscientemente a arte militar e a proteger como a pupila dos meus olhos os bens nacionais e militares de qualquer dano. Comprometo-me a observar rigorosamente a todo o momento a disciplina revolucionária e a executar sem objecções todas as ordens dos chefes designados pelas autoridades do governo operário e camponês. (...) Comprometo-me a defender a República Soviética contra todos os perigos e atentados que venham dos seus inimigos, a não poupar as minhas forças nem a minha vida na luta pela República Soviética da Rússia, pela causa do socialismo e da fraternidade entre os povos.» [4]

Justo quando a situação parecia mais desesperada, este enfoque político permitiu à revolução mobilizar todas as suas forças, instruir a classe trabalhadora e o campesinato pobre na arte da guerra, e levantar um poderoso exército que assombrou a todo o mundo.

Kazan e a defesa de Petrogrado

«A Primavera e o Verão de 1918 foram extraordinariamente difíceis para nós (...). De tempos a tempos parecia-nos que tudo se desmoronararia, como se não houvesse nada sobre o qual nos pudessemos apoiar. Não estávamos seguros de que aquele país esgotado, devastado, desesperado, tivesse forças bastantes para sustentar o novo regime, nem sequer para salvar a independência frente a qualquer invasor.»

A Minha Vida, Leon Trotsky

1918 e 1919 constituíram a prova de fogo para o Exército Vermelho. Nestes 24 meses, a energia criadora do povo russo manifestou-se nas grandes batalhas contra as tropas imperialistas e as Guardas Brancas contra-revolucionárias. A epopeia de um exército de trabalhadores e camponeses, modelado e aperfeiçoado no fogo dos combates, escreveu uma página excepcional da história da luta de classes.

Após as forças da Legião Tcheca e as Guardas Brancas na região do Volga terem tomado a cidade de Samara e ocupado a de Kazan, León Trotsky foi incubido pelo Conselho de Comissários do Povo a partir para o frente: na noite de 6 de Agosto de 1918 pôs-se em marcha o famoso comboio blindado no qual permaneceu dois anos e meio da sua vida, e com o qual percorreu mais de 100.000 quilómetros, organizando e unindo um exército que ainda era um projecto.

A queda de Kazan expôs as debilidades militares da revolução: «Os destacamentos de soldados vermelhos, formados à pressa, tinham abandonado as suas posições sem lutar, deixando a cidade indefesa. (...) Naqueles dias a revolução roçou o desastre. O seu território estava reduzido aos limites do antigo principado de Moscovo, não tinha apenas exército, os inimigos a cercavam por todas as partes...» [5]

A reorganização das forças deu-se de maneira efectiva sob a direcção do Comissário da Guerra e os mandos do 5º exército. «Aqueles destacamentos tão heterogéneos — escreveu Trotsky — foram convertendo-se num exército regular, reforçado por proletários comunistas vindos de Petrogrado, Moscovo e de outros lugares. Os regimentos endureciam-se. Os comissários adquiriam toda a sua importância como dirigentes revolucionário...» [6] O êxito da tarefa dependeu de não ocultar a própria debilidade, nem manipular com truques e enganos às massas que teriam que derramar o seu sangue.

Muitos foram os comunistas, homens e mulheres, que tornaram possível a transformação necessária: o coronel Vazetis e os seus atiradores letões, Ivan Nikitch Smirnov que «possuía o perfil mais acabado e completo de um revolucionário», o chefe da pequena frota bolchevique do Volga, Raskolnikov, ou a jovem revolucionária Larissa Reissner. Todos eles, junto a 25.000 soldados vermelhos, tomaram Kazan a 10 de Setembro; dois dias após as forças comandadas por Tukhachevski terem feito-o em Simbirsk.

A vitória em Kazan foi uma tremenda injecção moral; nos sete meses seguintes o Exército Vermelho recuperou um milhão de quilómetros quadrados populados por 40 milhões de pessoas. Mas a guerra não se deteve, e 1919 trouxe grandes ameaças.

As principais campanhas da contra-revolução foram três: o ataque de Kolchak desde a Sibéria contra o Volga e Moscovo, na Primavera de 1919; no Verão deste mesmo ano o avanço de Denikin desde o Sul, dirigido também contra Moscovo e que saiu com grandes triunfos na Ucrânia onde tomou a sua capital, Kiev; e a grande ofensiva no Outono de Yudenich — com o apoio inglês — para tomar Petrogrado.

«Naquele momento de depressão geral — escreve Deustcher — o optimismo e a energia de Trotsky não conheceram limites. (...) A frente foi reorganizada, acumularam-se reservas e, com as linhas de comunicação radicalmente interrompidas, as tropas receberam mantimentos em abundância. O inimigo havia-se estendido com excesso, e o poderio do Exército Vermelho era como uma mola comprimida pronta para ser solta. (...) Trotsky elevou-se agora em toda a sua estrutura, não só como o principal administrador e organizador do exército, mas também como o seu inspirador, como o profeta de uma ideia...» [7]

Quando Yudenich começou a sua ofensiva, o general branco Denikin havia tomado a cidade de Orel e ameaçava Tula, centro da principal indústria de guerra soviética. Caso o avanço fosse completado, Moscovo poderia cair como uma peça de dominó. A resistência de Petrogrado era essencial, mas a superioridade das tropas de Yudenich — formadas maioritariamente por oficiais e reforçadas pelo armamento britânico — semeou o pânico entre os defensores.

Lenin considerava muito difícil sustentar a capital revolucionária e propôs a evacuação da cidade para o Sul, reduzindo assim a extensão da frente. Trotsky opôs-se a este plano: «Yudenich e os seus amos não se conformariam com Petrogrado; o seu plano era reunir-se com Denikin em Moscovo. Petrogrado daria-lhes gigantescos recursos industriais e humanos...» [8] A 13 de Outubro de 1919, o Politburo do Partido Comunista Russo (bolchevique) e o Conselho de Defesa votaram a favor do plano de Trotsky de converter toda a república soviética num campo militar e «defender Petrogrado até à última gota de sangue, não ceder nem um palmo de terreno, lutar, se fosse necessário, casa por casa».

Durante dez dias a ofensiva de Yudenich foi um êxito sem paliativos. A queda parecia iminente e apenas o impulso revolucionário dos oprimidos poderia mudar a situação. E foi assim que o acto proletário da defesa de Petrogrado antecipou em quase duas décadas a heróica resistência de Madrid antifascista.

«Quando as massas começaram a  sentir que Petrogrado não se renderia, que seria defendida até a morte, o ambiente mudou. Os valentes e dispostos ao sacrifício, que nunca faltam, começaram a levantar a cabeça. Destacamentos de homens e mulheres, equipados com ferramentas de sapador, saíram das fábricas e oficinas. Naquela época, os operários de Petrogrado tinham um aspecto lamentável, com as suas caras pardas como a terra por falta de alimento...

— Não os deixaremos entrar em Petrogrado, verdade camaradas?

— Não, não os deixaremos!

(...) A cidade dividiu-se em zonas, postas sob o comando de grupos de operários. (...) fortificaram-se os canais, os jardins, os muros, as paredes, as casas. Foram cavadas trincheiras nos subúrbios e ao longo do rio Neva. Todo o Sul da cidade converteu-se numa fortaleza. Em muitas ruas e praças levantaram-se barricadas...» [9]

A 21 de Outubro, após dias de retirada, os soldados vermelhos entrincheiraram-se no célebre bairro de Pulkovo e resistiram à investida. Ao anoitecer do dia 23 começaram o avanço: «Os nossos destacamentos competiam agora em sacrifícios e heroísmo. Houve muitas vítimas. (...) O Estado Maior dos brancos teve que falar da "loucura heróica" dos vermelhos...» [10]

A vitória de Petrogrado forjou o triunfo do Exército Vermelho na guerra civil. À proposta de Lenin, Leon Trotsky recebeu a condecoração da Bandeira Vermelha.

Uma escola de táctica e estratégia revolucionária

Se a técnica militar era de grande importância no desenvolvimento dos combates, a política que orientava os dois bandos constituía o factor decisivo. «Em toda guerra — afirmava Lenin — a vitória depende em última instância do estado de ânimo das massas que derramam o seu sangue no campo batalha. (...) Os generais czaristas dizem que os nosso soldados vermelhos suportam as penalidades como jamais as suportaram o exército czarista. Isto explica-se porque cada operário e camponês alistado sabe porque combate, e conscientemente derrama o seu sangue pelo triunfo da justiça e do socialismo. O facto de as massas terem consciência das finalidades e das causas da guerra tem uma enorme importância e é garantia da vitória.» [11]

O êxito do Exército Vermelho e a sua capacidade de luta numa frente que se estendia ao longo de 8.000 quilómetros, explica-se pelo tipo de Estado que defendia: um regime revolucionário baseado na aliança da classe trabalhadora com o campesinato pobre. Os milhões de camponeses que lutavam nas trincheiras da guerra civil, e que na sua maioria não formavam parte do partido bolchevique, sabiam que não era possível nenhum caminho intermédio para salvaguardar os seus interesses, salvou o triunfo do Estado soviético. A distribuição da terra e a reforma agrária garantiriam-se esmagando Kolchak, Denikin, Yudenich e Wrangel e o resto dos generais brancos.

Os bolcheviques não só basearam-se na mobilização revolucionária dos oprimidos da Rússia, o seu chamado internacionalista ao derrube do capitalismo e à criação da Terceira Internacional foram decisivos na hora de paralisar os imperialistas e repatriar as tropas que mantinham-se no solo soviético.

Trotsky e Lenin confirmaram na guerra civil que a teoria é um guia para a acção, provando que a arte da guerra não pode estar sujeita a esquemas ou fórmulas doutrinárias. Trotsky escreveu milhares de proclamações e artigos, e pronunciou dezenas de discursos sobre a guerra revolucionária e a edificação do Exército Vermelho, reunidos nos seus célebres Escritos Militares. Neles destaca a relação dialéctica entre a teoria e a prática, a abertura mental para absorver qualquer aspecto que pudesse melhorar a capacidade de combate e a moral das tropas, inclusive os ensinamentos que ofereciam os movimentos do exército inimigo.

Frente aos mentores da chamada "doutrina militar proletária", que partiam do falso argumento de que a cada classe social corresponde uma ciência militar específica e desdenhavam da guerra "defensiva e estática" como própria dos exércitos burgueses enquanto chamavam pela mobilidade e a ofensiva como características inatas do "exército proletário", Trotsky respondia: «A guerra baseia-se em muitas ciências mas a guerra em si mesma não é nenhuma ciência: é uma arte práctica, uma habilidade (...) uma arte selvagem e sangrenta. (...) Formular uma nova doutrina militar com a ajuda do marxismo é igual a criar com a ajuda do marxismo uma nova teoria arquitectónica ou um novo manual de veterinária...»  [12]

Trotsky não se enganava sobre nada, e respondeu aos seus opositores com exemplos concretos tomados da experiência viva: a técnica da manobra que com tanto sucesso utilizou o Exército Vermelho, tinha-a aprendido das Guardas Brancas e das derrotas que lhes infligiram; ou a famosa cavalaria vermelha de Budiony — imortalizada na genial obra de Isaak Babel [13] — criada no momento culminante da ofensiva de Denikin quando a cavalaria branca apunhalava o interior das linhas bolcheviques com profundas e rápidas invasões. Foi então que Trotsky ditou a sua famosa ordem «Proletários aos cavalos!».

Trotsky sabia superar preconceitos e generalidades, e observar a realidade com os olhos muito abertos para aprender dela. A volta à cavalaria, por exemplo, foi imposta pelas condições do combate em regiões muito amplas e despovoadas. «Esta arma tão conservadora, que em grande medida vai extinguindo-se, ressucitou subitamente, por assim dizer. Converteu-se no meio defensivo e ofensivo mais importante nas mãos das classes mais conservadoras e decadentes. Devemos tomar-lhes esta arma a apropriar-nos dela.»

Também refutou os que aspiravam a imitar modelos, como o dos exércitos napoleônicos já que neles a "ofensiva" apresentava-se como a estratégia essencial. Estas inquisições não incluíam o facto de que a França era das nações mais avançadas da Europa no início do século XIX e que, de forma distorcida, Napoleão impunha as conquistas da revolução francesa contra os regimes monárquicos semi-feudais. Para Trotsky nenhuma "doutrina militar nacional" oferecia uma "verdade absoluta" sobre a guerra.

Frente à obsessão pelas guerrilhas como modelo de mobilidade e "democracia" advogou com firmeza por um exército centralizado e com um comando único, o que não excluía a utilização de destacamentos guerrilheiros como forças auxiliares de uma estratégia comum e fortemente disciplinadas. Face à rejeição de utilizar especialistas militares provenientes do antigo exército czarista, demonstrou que poderiam jogar um grande papel.

Trotsky relatou uma discussão muito significativa que manteve com Lenin: «Durante a reunião do Conselho de Comissários do Povo, à qual tinha ido directamente do comboio, Lenin passou-me esta nota: "Não lhe parece, por acaso, que deveríamos prescindir de todos os especialistas, sem excepção?" (...) Respondi-o no mesmo papel: "Deixemo-nos de bobeiras!" (...) Ao terminar a sessão, reunimo-nos. Lenin pediu-me notícias da frente.

— Perguntavas-me se não convinha que separássemos todos os antigos oficiais, sabes quantos serve, actualmente no nosso exército?

— Não, não sei.

— Quantos calculas, aproximadamente?

— Não tenho nem ideia.

— Pois não serão menos de 30 mil. Por cada traidor há 100 pessoas dignas de confiança, por cada desertor, há dois ou três caídos no campo de batalha. Por quem queres que os substituamos?

Poucos dias passados, Lenin pronunciava num discurso sobre os problemas que levantava a construcção do Estado socialista, no qual, entre outras coisas, disse o seguinte: "Quando recentemente o camarada Trotsky disse-me, concisamente, que o número de oficiais que serviam no Comissariado de Guerra era maior que várias dezenas de milhares, compreendi, de um modo concreto, (...) como era necessário construir o comunismo utilizando os ladrilhos que o capitalismo tinha preparado contra nós.» [14]

O VIII Congresso do Partido Bolchevique (Março de 1919) fez uma apaixonada defesa da política militar de Trotsky e rejeitou as críticas da oposição militar, muitos dos quais converteriam-se posteriormente em destacados colaboradores de Stalin.

Oficialmente a guerra civil prolongou-se por mais de 30 meses, até à derrota do general Wrangel na frente Sul a 20 de Novembro de 1920. Ainda que posteriormente tenha havido numerosos episódios armados, as forças da contra-revolução não levantaram a cabeça e as potências imperialistas renunciaram a prolongar a intervenção.

Em comparação com outros episódios da revolução, a grande vitória do Exército Vermelho na guerra civil apenas é conhecida pela esquerda militante. A razão disso é óbvia: ligada estreitamente ao que foi o seu protagonista mais destacado, Leon Trotsky, a casta burocrática que usurpou o poder enterrou a verdade daqueles factos até fazê-los desaparecer da história oficial. Não obstante, essa memória oculta por mentiras e deturpações viu a luz apesar de tudo, e por isso conhecemos as palavras que Lenin pronunciou e que foram recolhidas por Máximo Gorki nas suas memórias: «Mostre-me outro homem capaz de organizar num ano um exército exemplar e além disso conseguir o reconhecimento dos especialistas militares.»

Os quatro primeiros congressos da Internacional Comunista

Nunca entrou dentro das previsões de Lenin e dos bolcheviques a possibilidade de construir o socialismo isoladamente num país agrícola e atrasado como a Rússia de 1917, mas sim insistiram que a vitória de Outubro seria a centelha para estender a revolução à Europa, particularmente no país chave do continente: a Alemanha.

E assim ocorreu. Por todas as partes estalaram motins nos exércitos, greves gerais e movimentos insurrecionais. A Finlândia no início de 1918 e a Alemanha e Áustria em Novembro; em 1919, a insurreição espartaquista em Berlim e a proclamação da república soviética na Hungria e Baviera; entre 1919 e 1921, a Grã-Bretanha viveu uma onda de greves e motins operários; em 1920, o movimento revolucionário e as ocupações de fábricas em Itália; em 1921, uma nova insurreição na Alemanha central, de 1918 a 1921, o treino bolchevique no Estado espanhol...

«Toda a Europa — escreveu Lloyd George, o primeiro ministro britânico durante a guerra, ao primeiro ministro francês Clemenceau num memorando secreto de Março de 1919 — está cheia do espírito da revolução. Há um profundo sentimento não só de descontentamento, mas de raiva e revolta entre os trabalhadores contra as condições do pós-guerra. Toda a ordem existente, nos seus aspectos políticos, sociais e económicos, está a ser questionada pelas massas da população de uma ponta a outra da Europa.»

Com grande dificuldade, a burguesia pôde conter a situação e apenas o conseguiu apoiando-se nas velhas organizações social-democratas e nos sindicatos reformistas. A classe dominante fracassou na Rússia, mas tirou valiosas lições da sua derrota: após comprovar dolorosamente que o que pensava impossível tornou-se realidade, não seria apanhada desprevenida novamente.

Na Alemanha, o levantamento dos marinheiros de Kiel, em Novembro de 1918, foi o sinal para o início da revolução socialista. Em poucas semanas, a geografia do país ficou coberta por conselhos de operários e soldados, a monarquia dos Hohenzollern foi deposta e proclamou-se a república. Mas os social-democratas de direita tinham tirado as conclusões pertinentes dos acontecimentos russos. Utilizando a sua posição dirigente nos conselhos, boicotaram a sua consolidação e coordenação nacional, ao mesmo tempo que manobravam a burguesia e os generais monárquicos para esmagar a esquerda revolucionária dirigida pela Liga Espartaquista de Rosa Luxemburgo e Karl Liebknecht.

Uma vez derrotada a insurreição dos trabalhadores berlinenses a princípios de Janeiro de 1919, os chefes social-democratas utilizaram os Freikorps [15] para assassinar Rosa Luxemburgo e Karl Liebknecht, o que foi o prelúdio de uma repressão selvagem contra os operários comunistas. A social-democracia alemã continuou a obra iniciada em Agosto de 1914 [16].

O triunfo de Outubro abriu uma brecha intransponível no movimento social-democrata da época, que não fez mais que aumentar após a traição na Alemanha. Na maioria dos partidos da Segunda Internacional surgiram tendências comunistas, colocando a possibilidade de reatar as autênticas tradições internacionalistas do movimento operário. O projecto dos delegados internacionalistas que participaram nas conferências de Zimmerwald e Kiental contra a guerra imperialista [17] tornou-se viável: a criação de uma nova internacional revolucionária já era possível.

«A Terceira Internacional — escreveu Lenin — foi fundada sob uma situação mundial em que nem as proibições nem os pequenos e mesquinhos subterfúgios dos imperialistas da Entente ou dos lacaios do capitalismo, como Scheidemann na Alemanha e Renner na Áustria, são capazes de impedir que entre a classe trabalhadora do mundo inteiro se difundam as notícias sobre esta Internacional e as simpatias que desperta. Esta situação foi criada pela revolução proletária que, evidentemente, está a aumentar em todas as partes a cada dia, a cada hora.» [18]

A 24 de Janeiro de 1919, a direcção do Partido Comunista Russo (bolchevique), os partidos comunistas da Polónia, Hungria, Áustria, Letónia e Finlândia, a Federação Socialista Balcánica e o Partido Operário Socialista Norte-Americano realizaram o seguinte apelo:

«Queridos camaradas! Os partidos e organizações que assinam abaixo consideram que a convocatória do Primeiro Congresso da nova Internacional revolucionária é uma necessidade imperiosa. No curso da guerra e da revolução foi posto de manifesto não só a total bancarrota dos velhos partidos socialistas e social-democratas, e com eles da Segunda Internacional, não só a incapacidade dos elementos centristas [19] da velha social-democracia para a acção revolucionária efectiva mas também, actualmente, são esboçados os contornos da verdadeira Internacional revolucionária.» [20]

O congresso fundacional da Internacional Comunista realizou-se em Março de 1919, quando a intervenção militar imperialista encontrava-se no seu apogeu, o que impediu a assistência de muitos delegados.

Apesar dos contratempos, as jovens forças da Internacional Comunista estabeleceram as bases políticas que tinham sido delineadas nos anos precedentes por Lenin e Trotsky: a oposição frontal às tentativas de reconstruir a Segunda Internacional com a mesma política e regime interno que tinha antes da guerra; a denúncia do pacifismo burguês e das ilusões pequeno-burguesas no programa de paz do presidente estado-unidense Wilson; a defesa da teoria marxista do Estado e a crítica da democracia burguesa como uma forma de ditadura capitalista sobre o proletariado. A conclusão do congresso foi clara: a Internacional Comunista lutaria para agrupar a vanguarda revolucionária do proletariado numa Internacional marxista homogénea.

Nos anos seguintes produzir-se-ia uma transferência de operários socialistas para as fileiras da Internacional Comunista, uma pressão que obrigou a muitos dirigentes reformistas a mostrarem o seu apoio, de palavra, à nova organização. Em Março de 1919 adere o Partido Socialista Italiano; em Maio, o Partido Operário Norueguês e o Partido Socialista Búlgaro; em Junho, o Partido Socialista de Esquerda Sueco. Na França, os comunistas ganharam a maioria no congresso de Tours do Partido Socialista (1920): a ala de direita cindiu-se com 30.000 membros e o Partido Comunista Francês formou-se com 130.000. O Partido Social-Democrata Independente da Alemanha (USPD) decidiu por maioria no congresso de Halle (1920) unificar-se com o Partido Comunista Alemão (KPD), que se transformou numa organização de massas. O mesmo ocorreu na Tchecoslováquia.

«Os primeiros quatros congressos da Internacional Comunista — escreveu Leon Trotsky — deixaram-nos uma valiosa herança programática: a caracterização da etapa actual como etapa imperialista, ou seja, de culminação e começo de decadência do capitalismo; da natureza do reformismo moderno e os métodos para combatê-lo; da relação entre a democracia e a ditadura do proletariado; do papel do partido na revolução proletária; da relação entre o proletariado e a pequena-burguesia, especialmente o campesinato (a questão agrária); do problema das nacionalidades e a luta pela libertação dos povos coloniais; do trabalho nos sindicatos; da política da frente unida, da relação com o parlamentarismo, etc. Estes quatro primeiros congressos submeteram estas questões a uma análise de princípios que ainda não foi superada.» [21]

A maior parte dos documentos destes congressos foram escritos e defendidos por Lenin e Trotsky, e deram forma não só ao programa teórico mas também à acção das forças comunistas de todo o mundo. Ainda havia um longo caminho a percorrer antes que a burocracia stalinista abandonasse a posição internacionalista dos bolcheviques e a substituísse pela teoria do socialismo num só país e a colaboração de classes.

Naqueles anos a burguesia do continente viu-se em grandes apertos para sufocar a rebelião. Para além de recorrer à violência e utilizar as tropas desmoralizadas pelo fim da guerra, apoiaram-se nos dirigentes social-democratas, entusiastas da tarefa de esmagar os trabalhadores insurrectos. É certo que a inexperiência dos jovens Partidos Comunistas levou a todo tipo de erros, e isso contribuiu para que a burguesia conseguisse manobrar vantajosamente.

A tarefa da Internacional Comunista, e especialmente dos seus líderes mais capacitados como Lenin e Trotsky, foi a de educar aos quadros e à nova camada de dirigentes o auténtico espírito do bolchevismo. No Segundo Congresso, celebrado em Moscovo entre 19 de Julho e 7 de Agosto de 1920, tentaram opor-se às pressões oportunistas com a aprovação de 21 condições para a afiliação à Internacional Comunista. Entre outras questões exigiu-se às organizações que pretendiam juntar-se à Internacional uma ruptura taxativa com o programa pacifista dos imperialistas estado-unidense (o desarmamento, a Liga das Nações…); a rejeição ao regime interno burocratizado da Segunda Internacional e as relações diplomáticas de aparatos, que faziam da Internacional uma federação de partidos autónomos, o que permitia-lhes actuar em aberta oposição entre eles frente a questões transcendentais da luta de classes. A nova Internacional Comunista, como partido mundial da revolução socialista, construiu-se sobre a base dum programa e uma acção comum, e os métodos do socialismo democrático.

A Internacional não tinha que responder apenas aos perigos do oportunismo. A impaciência de muitos sectores do novo movimento comunista frente à traição dos velhos partidos reformistas, e a sua incompreensão da política do bolchevismo e do marxismo em geral, deu lugar ao aparecimento de tendências sectárias e ultra-esquerdistas. Muitos dos novos partidos comunistas viram-se afectados por esta doença "infantil", como definiu Lenin. Um caso destacado foi o do partido alemão, que, após sofrer a derrota da revolução e o assassinato de Rosa Luxemburgo e Karl Liebknecht, viu-se percorrido por estas tendências por um longo período.

Os  pontos fundamentais que defendiam os esquerdistas naquele período continuam a ser os mesmos que colocam actualmente: pronunciavam-se contra qualquer tipo de trabalho nas organizações de massas controladas pelos reformistas, encorajando todo tipo de atalhos organizativos como a construção de "sindicatos vermelhos". Declaravam-se hostis à participação nas eleições parlamentares e a favor do boicote eleitoral em toda e cada uma das circunstâncias. O ultra-esquerdismo, reflexo da impaciência e inexperiência, estava cheio das generalidades do anarquismo.

Ao cretinismo parlamentar contrapunham o cretinismo anti-parlamentar; frente ao poder e a influência dos sindicatos reformistas conformavam-se em criar pequenas seitas sindicais que isolavam os trabalhadores de vanguarda e, longe de debilitar a burocracia sindical, na realidade servia para fortalecê-la. Os seus representantes mais destacados daquela época foram o KAPD (Partido Comunista Operário Alemão), o húngaro Bela Kun, os comunistas liderados por Amadeo Bordiga na Itália, os holandeses dirigidos por Gorter e Pannekoek e alguns outros líderes comunistas británicos.

O Manifesto do Segundo Congresso, escrito por Trotsky, sublinhava os princípios da estratégia marxista contra esta política:

«A Internacional Comunista é o partido mundial da rebelião proletária e da ditadura do proletariado. Não tem tarefas nem objectivos separados nem independentes dos próprios da classe trabalhadora. As pretensões das seitas minúsculas, cada uma das quais querem salvar a classe trabalhadora à sua maneira, são alheias e hostis ao espírito da Internacional Comunista. A IC não possui nenhum tipo de remédio ou fórmulas mágicas, mas sim baseia-se na experiência internacional, presente e passada, da classe trabalhadora; depura estas experiências de todos os equívocos e desvios; generaliza as conquistas alcançadas e reconhece apenas como fórmulas revolucionárias as fórmulas de acção de massas. Levando a cabo uma luta incansável contra o reformismo nos sindicatos e contra o cretinismo parlamentar e o carreirismo, a Internacional Comunista condena ao mesmo tempo todos os apelos sectários para deixar as fileiras das organizações sindicais que agrupam milhões, ou virar as costas ao trabalho nas instituições parlamentares e municipais. Os comunistas não se separam das massas que estão a ser decepcionadas e traídas pelos reformistas e patriotas, mas sim comprometem-se com um combate irreconciliável dentro das organizações de massas e instituições estabelecidas pela sociedade burguesa, para poder derrubá-la o mais segura e rapidamente possível.»

Por sua parte, Lenin deixou clara a sua posição no seu célebre livro O esquerdismo: doença infantil do comunismo, preparado especialmente para os debates do congresso:

«Precisamente a absurda "teoria" da não participação dos comunistas nos sindicatos reaccionários mostra do modo mais evidente com que leviandade esses comunistas "de esquerda" consideram a questão da influência nas "massas" e de que modo abusam dos seus gritos acerca da "massa". Para saber ajudar a "massa" e conquistar a simpatia, a adesão e o apoio da "massa" é preciso não temer as dificuldades, as chicanas, as armadilhas, os insultos e as perseguições da parte dos "chefes" (que, sendo oportunistas e sociais-chauvinistas, estão na maior parte dos casos directa ou indirectamente ligados à burguesia e à polícia) e trabalhar obrigatoriamente onde está a massa.  É preciso saber suportar toda a espécie de sacrifícios e superar os maiores obstáculos para levar a cabo uma propaganda e uma agitação sistemáticas, tenazes, perseverantes e pacientes precisamente nas instituições, sociedades e sindicatos, por mais reaccionários que sejam, onde esteja a massa proletária ou semiproletária. E os sindicatos e as cooperativas operárias (estas últimas em alguns casos, pelo menos) são precisamente as organizações onde está a massa.

Na Inglaterra, França e Alemanha, milhões de operários passam pela primeira vez da completa falta de organização para a forma elementar, inferior, mais simples e acessível (para os que se acham ainda impregnados por completo dos preconceitos democrático-burgueses) de organização, precisamente para o sindicato — e os comunistas de esquerda, revolucionários, mas insensatos, ficam de lado, gritam "Massa", "Massa"! — e recusam-se a trabalhar dentro dos sindicatos! Recusam-se sob o pretexto do seu "reaccionarismo"! E inventam uma "união operária" novinha, limpinha, inocente dos preconceitos democrático-burgueses, que não cometeu os pecados da estreiteza profissional e do corporativismo, que pretensamente será (será!) ampla e para a participação na qual se exige apenas (apenas!) o "reconhecimento do sistema soviético e da ditadura"! É impossível conceber maior insensatez, maior dano para a revolução causado pelos revolucionários "de esquerda"![22]

A luta contra estas tendências prolongou-se por vários anos no seio da Internacional. Em essência reflectia a falta de maturidade política, de experiência e de temperamento das novas organizações, cujas direcções não tinham sido capazes de assimilar em toda a sua amplitude os ensinamentos do bolchevismo e a flexibilidade das suas tácticas. Quando em Março de 1921 o Partido Comunista da Alemanha (KPD) lançou-se a uma ofensiva armada sem contar com a preparação suficiente e o apoio das massas, a derrota do movimento selou também a bancarrota destas tácticas esquerdistas e aventureiras.

O Terceiro Congresso da Internacional reuniu-se entre 22 de Junho e 12 de Julho de 1921 em Moscovo, e levantou a reivindicação da "frente unida". A discussão abordou em profundidade a situação mundial após o refluxo da primeira grande onda revolucionária após a guerra (1917-1921), e a consequente recuperação por parte da social-democracia oficial de uma boa parte das posições políticas perdidas. A classe dominante pôde restabelecer precariamente a sua dominação, golpeando duramente as perspectivas da Internacional de um triunfo rápido na Europa.

Lenin e Trotsky, conscientes de que a correlação de forças tinha mudado frente às dificuldades internas que a URSS atravessava, reorientaram a política da Internacional Comunista coincidindo também com um agravamento da crise económica na Europa. A tarefa mais importante era avançar na construção dos partidos comunistas, ganhar posições firmes no movimento operário e encabeçar as lutas defensivas dos trabalhadores.

Esta reorientação foi duramente criticada pelos esquerdistas alemães e holandeses, partidários da política da "ofensiva". Caricaturizaram as posições de Lenin e Trotsky e compararam-nas com a dos mencheviques. Trotsky escreveu grandes textos sobre a conjuntura daquele período. Insistiu em que um retrocesso temporário no processo de radicalização das massas era inevitável após as derrotas políticas destes anos, ao que se somava uma crise económica que poderia ter efeitos negativos a curto prazo. Trotsky enfatizou a oportunidade de adaptar as reivindicações e as tácticas da Terceira Internacional às condições concretas do momento. Era necessário assumir que a derrota revolucionária tinha mudado o panorama.

Sem deixar de fustigar as ideias simplistas e ridículas dos ultra-esquerdistas alemães, completamente desautorizadas após a derrota de Março de 1921, Trotsky sublinhou também que seria um erro perder de vista o que aquele período histórico mostrava claramente: uma tendência dominante para a revolução. Em qualquer caso, era necessário considerar de forma escrupulosa a situação conjuntural e tomar medidas que ajudassem a fortalecer os jovens partidos comunistas entre as massas. Esse era o caminho para aproveitar as oportunidades do futuro.

A táctica geral da frente unida perseguia um objectivo concreto: chegar à base operária das organizações social-democratas oficiais. Naquele período de ofensiva burguesa, adoptar uma política defensiva que unisse o movimento operário era imprescindível: «atacar juntos, marchar separados», combater o inimigo comum através de acções acordadas em defesa de reivindicações concretas, e manter a total independência e agitação a favor do programa comunista.

A proposta de unidade de acção não só se orientava à base das organizações social-democratas, iam dirigidas publicamente às suas direcções, o que permitia aos comunistas realizar uma agitação efectiva das suas reivindicações. A burocracia reformista, tanto dos sindicatos como dos partidos socialistas, reagiu com virulência frente a estes apelos, demonstrando perante milhões de trabalhadores que a sua exigência de unidade era uma cortina de fumaça demagógica. A social-democracia não estava disposta a empreender numa luta consequente por reformas económicas e democráticas básicas, pois estas só poderiam ser arrancadas à burguesia através de métodos de luta e acções de carácter revolucionário.

Durante os meses que transcorreram até o Quarto Congresso, os progressos da Internacional Comunista consolidaram-se e ampliaram-se. Para 1922, a Internacional Comunista contava já com 60 secções nacionais, que agrupavam uma militância de cerca de três milhões e dispunham de 700 publicações partidárias. Também registaram-se sérios avanços no mundo colonial, sacudido por um intenso movimento anti-imperialista e pela libertação nacional. Em Janeiro de 1922 celebrou-se em Moscovo o Congresso dos Trabalhadores do Extremo Oriente, que permitiu estabelecer os primeiros vínculos firmes entre a Internacional e a classe operária da China e do Japão.

O Quarto Congresso abriu as suas sessões  em Moscovo a 30 de Novembro e concluiu-as a 5 de Dezembro de 1922, reafirmando muitas das resoluções políticas discutidas no anterior. O debate que nesse momento estava a ocorrer no seio do Partido Comunista da União Soviética sobre a Nova Política Económica (NEP), sob a fortíssima pressão das dificuldades económicas surgidas após a guerra civil e o fracasso da revolução na Europa, levantou uma lição muito valiosa: como abordar as retiradas tácticas, inclusive após a conquista do poder.

O isolamento da revolução e a devastação económica

 A classe trabalhadora russa pagou um preço muito alto pela derrota da revolução na Europa, especialmente na Alemanha. O Estado soviético ficou isolado em condições materiais espantosas, que deram lugar a fenómenos políticos não previstos. O colapso da sua economia, forçado por anos de intervenção imperialista, minou progressivamente as bases da democracia operária existente nos primeiros anos da revolução.

O ponto de vista marxista sobre a transição para o socialismo parte de um pressuposto concreto: graças à expropriação da burguesia e a socialização dos meios de produção sob o controlo democrático da classe trabalhadora, as forças produtivas podem avançar a uma grande velocidade. E isto é absolutamente necessário pois apenas com um forte desenvolvimento da indústria e da agricultura, e com um aumento constante da produtividade do trabalho, podem criar-se as condições materiais para uma sociedade sem classes. Uma vez que a população trabalhadora seja liberta de lutar quotidianamente pela sua sobrevivência, poderá empregar as suas energias e talento na administração da vida social: a política, a economia e a cultura. Sem o controlo e a participação directa das massas não pode existir a democracia operária, o regime da ditadura proletária.

A luta de classes no seio da URSS não teve trégua durante aqueles primeiros anos. Golpeados pela contra-revolução e submetidos a condições objectivas extremamente adversas, os bolcheviques expropriaram e nacionalizaram a imensa maioria das fábricas, estabeleceram o monopólio do comércio exterior e procederam a levantar uma administração operária. Mas as insuficiências económicas eram muito grandes. Toda a produção foi submetida a um regime militar e, para poder realizar de forma equitativa a distribuição, a população agrupou-se em cooperativas subordinadas às instituições estatais. Este conjunto de medidas receberam o nome de comunismo de guerra.

Estas penosas circunstâncias debilitaram a classe trabalhadora e o seu peso social viu-se muito diminuído. Em 1919, a percentagem de operários da construção reduziu-se 66% e o de ferroviários 63% em relação ao período anterior à guerra mundial. A quantidade de operários industriais caiu dos três milhões de 1917 a 1.240.000 em 1920. Lenin descreveu assim a situação:

«O proletariado industrial, devido à guerra e à pobreza e ruína desesperadas, foi desclassificado, ou seja, foi desalojado da sua rotina de classe, deixou de existir como proletariado. O proletariado é a classe que participa na produção de bens materiais na indústria capitalista em grande escala. À medida em que a indústria de grande escala foi destruída, à medida em que as fábricas estão paradas, o proletariado desapareceu. Às vezes aparece nas estatísticas, mas não manteve-se unido economicamente.» [23]

Nos seus escritos sobre a revolução de 1917, Lenin definiu as condições políticas para a edificação de um Estado operário de transição: 1) Eleições livres e democráticas a todos os cargos do Estado; 2) Revogabilidade de todos os cargos públicos; 3) Que nenhum funcionário receba um salário superior ao de um operário qualificado; 4) Que todas as tarefas de gestão da sociedade sejam assumidas gradualmente por toda a população de forma rotativa. «Reduzamos o papel dos funcionários públicos ao de simples executores das nossas diretrizes — assinalava Lenin — ao papel de inspectores e contadores, responsáveis, revogáveis e modestamente retribuídos (em união, naturalmente, dos técnicos de todos os géneros, tipos e graus); essa é a nossa tarefa proletária. Por aqui se pode e deve começar quando se leve a cabo a revolução proletária.» [24]

Após uma brutal guerra civil a que se somaria a devastação anterior da guerra mundial e o embargo criminal imposto à Rússia soviética pelos imperialistas, as dificuldades para a aplicação deste programa eram evidentes. Ao terminar a guerra civil (1921), a extracção de carvão tinha caído 30% abaixo dos níveis do período pré-guerra, a de aço apenas chegava a 5%, e, no seu conjunto, a produção fabril apenas supunha um terço. O transporte ferroviário estava deslocado, piorando ainda mais a lamentável situação do comércio entre as cidades e o campo. A média da produção de cereais em 1920-21 era apenas a metade dos anos imediatamente anteriores a 1914 e, para piorar dramaticamente as coisas, uma grande seca cobriu o sul da Rússia com a consequente diminuição das rações alimentares. Em 1921 a fome estendeu-se pelo país deixando um rastro de milhões de mortos.

Logo sucederam-se explosões e manifestações de descontentamento entre sectores do campesinato e da classe trabalhadora. Em 1921 produziu-se um levantamento camponês em Tambov; nesse mesmo ano, a guarnição naval de Krondstadt sublevou-se contra o poder dos sovietes. Esta ameaça à revolução era ainda mais grave do que a agressão imperialista.

As condições materiais de uma Rússia devastada revelaram-se contra a democracia operária. Em muitos casos, as estruturas soviéticas deixaram de funcionar, os sovietes, como órgãos do poder operário, caíram ou foram substituídos pelos comités do partido. As tarefas da administração do Estado eram cobertas, cada vez em maior proporção, por um número crescente de velhos funcionários do regime czarista, enquanto os melhores quadros comunistas serviam na frente como comissários vermelhos, ou estavam consagrados à reconstrução da economia.

Lenin, observava com grande preocupação o rumo dos acontecimentos. No Quarto Congresso da Internacional Comunista avisou: «Tomámos posse da velha maquinaria estatal e essa foi a nossa má sorte. Temos um amplo exército de empregados governamentais. Mas faltam-nos as forças para exercer um controlo real sobre eles.
(...) Na cúspide temos não sei quantos, mas em qualquer caso, não menos de uns quantos  milhares. (...) Abaixo há centenas de milhares de velhos funcionários que recebemos do czar e da sociedade burguesa». Noutros escritos martelou a mesma ideia: «Expulsamos os velhos burocratas, mas voltaram (...) levam uma fita vermelha nos seus ilhós sem botões e arrastam-se pelos cantos quentes. O que fazemos com eles? Temos que combater esta escória uma e outra vez, e se a escória volta arrastando-se, temos que limpá-la uma e outra vez, persegui-la, mantê-la sob a supervisão de trabalhadores e camponeses comunistas que conheçamos por mais de um mês e um dia». [25]

A enorme tensão social, o descontentamento entre o campesinato e a classe trabalhadora, a escassez geral e o estancamento da produção, obrigaram os bolcheviques a um retrocesso. Em 1921 aprovou-se a Nova Política Económica (NEP): com o fim de estabelecer o intercâmbio comercial com o campo e aliviar a insuportável pressão social e económica que pairava sobre o Estado operário, foram feitas concessões aos sectores da pequena burguesia urbana e rural. Mais tarde, as concessões converter-se-iam numa ameaça contra o sistema soviético.

Refluxo do "orgulho plebeu"

A NEP só pode ser entendida desde a óptica das condições hostis que rodeavam a construção do socialismo na Rússia numa situação de isolamento internacional. No X Congresso do PCUS anunciou-se a substituição do sistema de requisição forçada do grão por um imposto em espécie, com o que os camponeses podiam dispor de um excedente para comercializar no mercado. O objectivo era estimular a economia agrícola. Inicialmente tratava-se de uma experiência limitada e subordinada à economia planificada: o Estado continuou a concentrar nas suas mãos toda a indústria pesada, as comunicações, a banca, o sistema de créditos, o comércio exterior e uma parte preponderante do comércio interior.

Este retrocesso obrigado traía as palavras do jovem Marx: «O desenvolvimento das forças produtivas é praticamente a primeira condição absolutamente necessária para o comunismo por esta razão: sem ele, socializaria-se a indigência e esta faria ressurgir a luta pelo necessário, brotando novamente, em consequência, todo o velho caos». Apesar da NEP os problemas continuaram.

Em 1923, a divergência entre os preços industriais e os agrários aumentou. A produtividade do trabalho na indústria era muito baixa, o que implicava preços altos para os produtos manufacturados, ao mesmo tempo que os lucros obtidos pelos pequenos camponeses eram insuficientes para dar-lhes acesso a tais produtos. Ao mesmo tempo, os kulaks — camponeses acomodados — fortaleciam a sua posição no mercado comprando ao pequeno produtor e acumulando grãos, convertendo-se assim no único interlocutor do Estado no mundo rural. Isto também se refletia nos sovietes locais, onde a influência dos kulaks era cada vez maior. As tendências pró-burguesas cresciam no campo e desenvolviam-se paralelamente à especulação nas cidades.

Paralelamente e ligando-se a este processo de acumulação privada, a burocracia do Estado e do aparelho do partido — especialmente as suas camadas superiores — valia-se da sua posição para obter vantagens materiais e independentizar-se progressivamente do controlo da classe trabalhadora. As dificuldades, tanto internas como externas, converteram-se na força motriz do seu triunfo político.

Após um período de sacrifícios colossais, as grandes esperanças postas no triunfo do proletariado europeu frustaram-se. Toda a pressão das derrotas revolucionários na Europa desembocou num profundo esgotamento das forças dos trabalhadores soviéticos, o que abriu uma fase de refluxo. Este factor político e a desmobilização de milhões de homens do Exército Vermelho, jogaram um papel crucial no crescimento do aparelho burocrático. Trotsky analisou a dinâmica deste processo:

«A reacção cresceu durante o curso das guerras que seguiram-se à revolução e as condições exteriores e os acontecimentos nutriram-na sem cessar (...) o país viu que a miséria instalava-se nele por muito tempo. Os representantes mais notáveis da classe trabalhadora tinham perecido na guerra civil ou, ao elevar-se uns graus, havia separado-se das massas. Assim seguiu-se, depois de uma tensão prodigiosa das forças, das esperanças, das ilusões, um longo período de fadiga, de depressão e de desilusão. O refluxo do "orgulho plebeu" teve como consequência um afluxo de carreirismo e de cobardia. Estas marés levaram ao poder uma nova camada de dirigentes.

A desmoralização de um Exército Vermelho de cinco milhões de homens devia desempenhar na formação da burocracia um papel considerável. Os comandantes vitoriosos tomaram os postos importantes nos sovietes locais, na produção, nas escolas, e levaram a todas as partes obstinadamente o regime que lhes havia feito ganhar a guerra civil. As massas foram eliminadas pouco a pouco da participação efectiva do poder.

A reacção no seio do proletariado fez nascer grandes esperanças e grande segurança na pequena-burguesia das cidades e do campo que, chamadas a uma vida nova pela NEP, tornava-se cada vez mais audaz. A jovem burocracia, formada primitivamente com o fim de servir ao proletariado, sentiu-se o árbitro entre as classes, adquiriu uma autonomia crescente.

A situação internacional actuava poderosamente no mesmo sentido. A burocracia soviética adquiria mais segurança à medida que as derrotas da classe trabalhadora internacional era mais terríveis. Entre estes dois factos a relação não é somente cronológica, é causal; e nos dois sentidos: a direcção burocrática do movimento contribuía para as derrotas; as derrotas consolidavam a burocracia.» [26]

O último combate de Lenin

Entre Janeiro de 1922 e Março de 1923, a saúde de Lenin piorou consideravelmente. Cercado pelos ataques, o líder bolchevique impulsionou uma batalha persistente contra a gangrena do burocratismo. Os seus escritos desse período são um testemunho de uma mudança radical de atitude em relação a Stalin, que não tardou em identificar como a personificação do autoritarismo e a ineficiência burocrática que tinha chamado a combater. A forma em que este se conduziu à frente da Inspecção Operária e camponesa — organismo que em teoria tinha sido fundado para enfrentar os desvios burocráticos, mas que na práctica transformou-se num centro de recrutamento de carreiristas e oportunistas —, como a forma que abordou a questão nacional em Geórgia, mostrando o chauvinismo grã-russo que Lenin sempre desprezou e combateu, convenceu-o da necessidade de empreender o seu último combate, mas não por isso menos transcendental. [27]

No início de 1922, Lenin insistiu na sua campanha anti-burocrática reclamando a depuração das fileiras do Partido Comunista de "carreiristas e ladrões". Conseguiu que fossem excluídos 100.000, mas Lenin considerava-o insuficiente: «…espero que sofram a mesma sorte as dezenas de milhares de membros que hoje só sabem organizar reuniões mas não o trabalho práctico. (...) O nosso pior inimigo interior é o burocrata, e o burocrata é o comunista que ocupa um posto de tipo soviético responsável (e também irresponsável). Devemos desfazer-nos deste inimigo...» [28]

A finais de Maio, Lenin sofreu um ataque que lhe paralizou parcialmente a perna e o braço direitos e dificultou-lhe a fala. O seu afastamento da condução práctica do Estado e do Partido coincidiu com os avanços cada dia mais audazes do aparato burocrático. Stalin, como secretário geral, começou a cortejar uma ampla camada de funcionários aos que transformou numa massa de subordinados fiéis. E o fez tomando medidas para se assegurar da sua lealdade: em Julho de 1922 criou um corpo de inspectores encarregados de controlar as direcções provinciais do partido, e conseguiu que 15.500 quadros superiores obtivessem vantagens materiais substanciais, um salário três vezes mais alto do que um operário industrial, lotes extras de produtos alimentícios difíceis de encontrar no mercado, férias pagas…[29]

Stalin, que também ocupava o cargo de Comissário do Povo para as Nacionalidades, apresentou em Setembro de 1922 o seu projecto da Federação Soviética, na qual concedia uma espécie de autonomia imprecisa às repúblicas "irmãs" da Rússia. No dia 15 desse mês o Comité Central do Partido Comunista georgiano opôs-se à fórmula de Stalin, postura que este denunciou como "desviacionismo nacional" frente ao próprio Lenin, que apenas foi parcialmente informado da discussão.

Quando a 25 de Setembro Lenin esteve em condições de ler os materiais elaborados por Stalin, não duvidou em corrigi-los a fundo e convocar vários dirigentes bolcheviques para tratar do assunto. Em finais desse mesmo mês Lenin escreveu uma carta ao Bureau Político na qual propunha que as distintas repúblicas formassem parte da União Soviética em pé de igualdade com a Rússia. Imediatamente reuniu-se com os dirigentes georgianos para assegurar-lhes o seu apoio contra as pretensões de Stalin. A 6 de Outubro, o Comité Central aprovou o projecto modificado por Lenin que daria lugar ao nascimento da URSS a 30 de Dezembro de 1922. No calor desta intensa discussão, Lenin escreveria a Kamenev: «Declaro uma guerra não para sempre, mas até à morte ao chauvinismo russo...»

As relações entre Lenin e Stalin sofreram uma deterioração abrupta. Consciente da ameaça que representava o poder que Stalin tinha concentrado, recorreu a contactos cada vez mais assíduos com Trotsky e propôs-lhe abertamente iniciar uma luta comum contra o avanço do burocratismo. Numa das suas últimas aparições com motivo do discurso que dirige ao Quarto Congresso da Internacional Comunista, Lenin denuncia com ironia a resolução sobre a estrutura e os métodos de organização dos Partidos Comunistas, obra de Zinoviev, e lança-se em força contra os burocratas do partido russo: «É um texto excelente, mas fundamentalmente russo (...) quase nenhum comunista estrangeiro pode lê-lo (...) com esta resolução cometemos uma grave falta, cortando-nos o caminho para novos progressos...»

Em resposta à ousadia dos comunistas georgianos e ao apoio que Lenin lhes deu, Stalin decide organizar a sua própria vingança política. Envia o seu "pró-cónsul" Ordzhonikidze para expulsar aos dirigentes do partido em Georgia, mas o delegado excede-se na sua violência e golpeia a um dos seus interlocutores. O incidente e a forma brutal, "grã-russa", como se comporta o tenente de Stalin, provocou a demissão em bloco do Comité Central do partido georgiano a 22 de Novembro.

Lenin ainda demoraria a conhecer os detalhes deste acontecimento, enquanto outro debate consumia toda a sua atenção: Bukharin tinha-se pronunciado a favor de atenuar o monopólio do comércio exterior e foi secundado por outros membros do Politburo, entre eles Stalin. Lenin opôs-se taxativamente a esta concessão — todos as armas em defesa da economia planificada — e propõe a Trotsky um bloco para defender intransigentemente o monopólio frente ao Comité Central do Partido.

Nessas semanas, Lenin aumenta a sua correspondência com Trotsky alarmado pelos acontecimentos. Stalin, sabendo o que está a acontecer, dá rédea solta os seu estilo e refere-se em termos grosseiros e autoritários a Krupskaya, acusando-a de não respeitar as prescrições médicas que devem manter Lenin isolado de toda a actividade. Em finais de Dezembro de 1922, Lenin sofreu novos ataques e, apesar da sua capacidade de trabalho ter ficado esgotada, foi capaz de reunir as forças para ditar às suas secretárias uma série de cartas dirigidas ao XIII Congresso do Partido, e que se sucedem ininterruptamente até 7 de Fevereiro de 1923.

Esta correspondência passou à história como o Testamento de Lenin. Nela sublinha: «O camarada Stalin, ao converter-se em secretário geral, concentrou nas suas mãos um poder ilimitado e não estou convencido de que saberá sempre utilizá-lo com suficiente cautela». Na carta que dita a 26 de Dezembro volta a refletir sobre o tipo de Estado que existe na URSS, qualificando-o como "uma herança do antigo regime", e seis dias mais tarde volta sobre o mesmo assunto: «Chamamos "nosso" a um aparato que na realidade é-nos completamente alheio, uma mixórdia burguesa e czarista que era absolutamente impossível transformar em cinco anos estando privados da ajuda dos outros países e quando as nossas preocupações fundamentais eram a guerra e a luta contra a fome». [30]

Nas cartas de 29 e 31 de Dezembro, Lenin amplia o seu ataque a Stalin, o qual aponta ser a encarnação do chauvinismo grão-russo e de negar-se «a admitir a necessidade de que "a nação opressora" reconheça o direito da "nação oprimida" à auto-determinação», e condena «ao georgiano que acusa com desdém a outros de "social-nacionalismo", quando ele mesmo é não só um verdadeiro e genuíno "nacional-socialista" mas também um polícia grosseiro grã-russo».

A 4 de Janeiro de 1923 continua a sua denúncia ao considerar que Stalin é «demasiado grosseiro, e este defeito embora totalmente tolerável no nosso meio e nas relações entre nós, comunistas, torna-se insuportável nas funções de secretário geral», motivo pelo qual propõe aos delegados que «pensem a maneira de substituir Stalin nesse cargo e designar no seu lugar outra pessoa que em todos os aspectos tenha sobre o camarada Stalin apenas uma vantagem, a saber: a de ser mais tolerante, mais leal, mais educado e mais atencioso para com os camaradas, que tenha um humor menos caprichoso». [31]

No início de Março de 1923 sucedem-se dois acontecimentos de grande relevância. Por um lado, submeteu a Trotsky uma proposta para defender no iminente congresso do partido uma posição comum sobre a questão nacional e escreve uma breve carta aos camaradas georgianos que é uma declaração de princípios: «Sigo a vossa causa com todo o meu ânimo. Estou impressionado pela grosseria de Ordzhonikizde e a conivência de Stalin e Dzerzhinski. Preparo notas e um discurso a vosso favor.»

Por outro, chegou ao seu conhecimento a insultante chamada telefónica de Stalin a Krupskaya do anterior dia 22 de Dezembro. A sua resposta não se fez esperar:

«Ao camarada Stalin. Cópias para Kamenev e Zinoviev.

Estimado camarada Stalin:

Você permitiu-se a insolência de chamar a minha esposa por telefone para a repreender duramente. Apesar do facto de que ela prometeu esquecer-se do que foi dito, tanto Zinoviev como Kamenev souberam do incidente, porque ela informou-os a respeito disso. Não tenho intenção alguma de esquecer-me facilmente do que se faz contra mim, e não necessito de insistir aqui que considero o que se faz contra a minha esposa como feito contra mim também. Peço-lhe então que medite com cuidado sobre a conveniência de retirar as suas palavras e dar as devidas explicações, a menos que prefira que cortemos relações completamente.

Saúdo-o, Lenin. 5 de Março de 1923.»

Toda esta correspondência ficaria oculta para o Partido até que Nikita Khrushchev a revelasse parcialmente no XX Congresso do PCUS em 1956. [32]

Porém Lenin voltou a ficar doente a 6 de Março e quatro dias mais tarde sofreu uma hemorragia cerebral quase total que o reduziu ao silêncio. Após dez meses de total exaustão, morreu a 24 de Janeiro de 1924.

O desaparecimento de Lenin deu início a um significativo movimento de "canonização" pelo aparelho dirigente, muito útil como preparação do posterior culto à personalidade na figura omnipresente de Stalin. Quando Zinoviev propõe renomear Petrogrado como Leningrado, ou concorda com o embalsamento do cadáver apesar da oposição de Krupskaya, a burocracia empreendia um caminho de ruptura com tudo o que Lenin representou em vida. Muitos protestaram contra acções semelhantes, considerando o que sempre foi a trajectória humilde, austera e humana do dirigente de Outubro. O poeta Vladimir Maiakovski denunciou de forma certeira a nova liturgia burocrática:

«Estamos de acordo com os ferroviários de Riazan que propuseram ao decorador que  realize a sala Lenin do seu clube sem busto nem retrato, dizendo «Não queremos ícones!» Não façam de Lenin um selo.

Não imprimam o seu retrato nos pósteres, nos vernizes, nos porta-copos, nos copos, nos corta-cigarros.

Não o moldem em bronze. Estudem Lenin, não o canonizem.

Não criem um culto em torno ao nome de um homem que em toda a sua vida lutou contra os cultos de toda espécie.

Não comercializem os objetos de culto. Lenin não está à venda.» [33]

 

[Esta é a segunda parte de um artigo escrito em três partes. Podes ler aqui a primeira parte e aqui a terceira.]

 

NOTAS

[1] "Sobre as frentes", em Como se armou a revolução; León Trotsky. Selecção de Escritos Militares, Ed. CEIP, Buenos Aires 2006, p.249.

[2] "O Exército Vermelho". Ibidem, p.128.

[3] O profeta armado, Isaac Deustcher. Ed. ERA, México 1976, p.381.

[4] O Juramento do soldado do Exército Vermelho foi aproavdo pelo Comité Executivo Pan-Russo dos Sovietes de deputados operários, soldados e camponeses, a 22 de Abril de 1918.

[5] A minha vida, Leon Trotsky. Fundação Frederico Engels, Madrid 2010, p.364.

[6] Ibidem, p.372.

[7] O profeta armado, Isaac Deustcher. Ed. ERA, México 1976, p.403.

[8] A minha vida, Leon Trotsky. Fundação Federico Engels, Madrid 2010, p.386.

[9] Ibidem, pp.388-389.

[10] Ibidem, p.391.

[11] Discurso de Lenin na Conferência ampliada de operários e soldados do Exército Vermelho no bairro de Rogozhski-Simonovski, a 13 de Maio de 1920.

[12] O profeta armado, Isaac Deustcher. Ed. ERA, México 1976, p.440.

[13] Cavalaria Vermelha, Isaac Babel. Um dos grandes prosaístas da revolução, Babel foi encontrado executado por ordem de Stalin a 17 de Janeiro de 1940 com um tiro na nuca. Condenado como trotskista e "espião francês", tinha 45 anos quando foi assassinado.

[14] A minha vida, Leon Trotsky. Fundação Federico Engels, Madrid 2010, p.404.

[15] Freikorps (Corpos Francos) grupos militares integrados por oficiais, soldados e voluntários monárquicos e de extrema-direita, sobre os quais posteriormente levantariam-se as forças de choque do partido nazi.

[16] Ver Sob a bandeira da rebelião - Rosa Luxemburgo e a revolução alemã, Juan Ignacio Ramos. Fundação Federico Engels, Madrid 2014.

[17] Conferência de Zimmerwald: A I Conferência Socialista Internacional que se celebrou de 5 a 8 de Setembro de 1915 em Zimmerwald (Suíça). Nela, confrontaram-se os internacionalistas revolucionários, encabeçados por Lenin, e a tendência impregnada pelo espírito conciliador e pacifista de Kautsky, que havia rompido na Alemanha com a maioria parlamentar do SPD. Lenin e outros internacionalistas revolucionários formaram a chamada esquerda zimmerwaldiana, defendendo o derrotismo revolucionário. Trotsky, que nesse momento ainda não se alinhava organicamente com os bolcheviques, redigiu o manifesto da Conferência, no qual se classificava a guerra mundial de imperialista, condenava-se a conduta dos “socialistas” que haviam votado a favor dos créditos de guerra e entrado em governos burgueses, e se fazia um apelo ao movimento operário europeu para lutar contra a guerra e por uma paz sem anexações nem compensações. 

[18] Conferência de Kienthal: A II Conferência Socialista Internacional que se celebrou noutra localidade suíça, Kienthal, de 24 a 30 de Abril de 1916. Nela, a ala esquerda actuou mais unida e teve mais força que em Zimmerwald. Graças aos esforços de Lenin aprovou-se uma resolução que criticava o social-pacifismo e o oportunismo dos dirigentes da Segunda Internacional. O manifesto e as resoluções aprovadas em Kienthal foram um novo passo no desenvolvimento do movimento internacional contra a guerra. Zimmerwald e Kienthal contribuíram para agrupar os marxistas da social-democracia internacional e estabeleceram um terreno de colaboração que se cristalizou definitivamente com a criação da Internacional Comunista em 1919.

[19] "Em defesa da revolução de Outubro", Lenin, a Terceira Internacional e o seu lugar na história. VVAA, Fundação Federico Engels, Madrid 2007.

[20] Termo que aplica-se às organizações ou pessoas que estão numa posição intermédia ("centro") entre o reformismo e o marxismo, seja porque estejam evolucionando do primeiro para o segundo ou vice-versa.

[21] A Internacional Comunista, Teses manifestos e resoluções dos quatro primeiros congressos (1919-1922). Fundação Federico Engels, Madrid 2009, p.39.

[22] Os cinco primeiros anos da Internacional Comunista (citação). Ed. Pluma, Buenos Aires 1974.

[23] O esquerdismo: a doença infantil do comunismo, V. I. Lenin. Fundação Federico Engels, Madrid 2015, pp.72-73.

[24] Rússia - Da revolução à contra-revolução (citação), Ted Grant. Fundação Federico Engels, Madrid 1997, p.84.

[25] Ibidem, p.104.

[26] Ibidem, pp.109-110.

[27] A revolução traída, Leon Trotsky. Fundação Federico Engels, Madrid 2015, p.90.

[28] A última luta de Lenin - Discursos e escritos. Pathfinder Press, Nova York 1997.

[29] Lenin, Jean-Jacques Marie. Ed. POSI, Madrid 2008, p.345.

[30] Ibidem, p.353.

[31] Ibidem, p.371.

[32] A última luta de Lenin - Discursos e escritos. Pathfinder Press, Nova York 1997, p.210.

[33] Pode consultar-se o informe completo em https://www.marxists.org/espanol/khrushchev/1956/febrero25.htm

[34] Lenin, Jean-Jacques Marie. Ed. POSI, Madrid 2008, p.392.

 

Sindicato de Estudantes

Sindicato de Estudantes

Os cookies facilitam o fornecimento dos nossos serviços. Ao usares estes serviços, estás a permitir-nos usar cookies.